sicnot

Perfil

Mundo

Investigação pública sobre pedofilia iniciada no Reino Unido

Uma grande investigação pública independente foi esta quinta-feira iniciada no Reino Unido sobre acusações de pedofilia que envolvem responsáveis políticos e instituições públicas nos anos 1980-1990.

A abertura da investigação foi retardada pela demissão dos dois anteriores juízes, acusados de conflito de interesses. (Arquivo)

A abertura da investigação foi retardada pela demissão dos dois anteriores juízes, acusados de conflito de interesses. (Arquivo)

© Peter Nicholls / Reuters

Anunciada no verão passado pela ministra do Interior, Theresa May, a investigação surge na sequência de revelações na imprensa confirmadas pelos ministérios em causa que mostraram que 114 'dossiers' relativos a acusações de abuso sexual de crianças entre 1979 e 1999 tinham desaparecido.

Um desses 'dossiers' trata, segundo a imprensa, do envolvimento de deputados e outras figuras políticas numa rede de pedofilia.

A abertura da investigação foi retardada pela demissão dos dois anteriores juízes, acusados de conflito de interesses. Elizabeth Butler-Sloss teve também de renunciar ao cargo, porque o seu irmão, Michael Havers, procurador-geral nos anos 1980, é acusado de ter tentado impedir um antigo parlamentar de tornar públicas acusações de abuso sexual.

Para evitar qualquer nova acusação de conivência, foi nomeada em fevereiro para conduzir a investigação a juíza neozelandesa Lowell Goddard, que afirmou perante os deputados britânicos não ter qualquer ligação à administração do país.

"É a investigação pública mais importante e a mais ambiciosa da história da Inglaterra e do País de Gales", sustentou hoje a juíza, apelando a todas as vítimas para que venham a público.

Reconhecendo tratar-se de uma tarefa "imensa", a magistrada precisou que os primeiros elementos do inquérito, que poderá prolongar-se por vários anos, sugerem "que uma criança em 20, na Inglaterra e no País de Gales, foi sexualmente agredida".

"Os verdadeiros números poderão ser piores que as estimativas oficiais", advertiu, razão pela qual escreveu a mais de 240 instituições -- polícia, serviço nacional de saúde, igrejas, entre outras -- para lhes pedir que procurem e lhe transmitam qualquer documento que possa ser útil à investigação.

Em março deste ano, o departamento de assuntos internos da polícia britânica abriu também um inquérito após queixas acusando agentes policiais de terem encoberto a atividade de uma rede de pedófilos que envolvia responsáveis políticos e instituições públicas entre os anos 1970-2000.

Está em curso uma outra investigação policial sobre agressões sexuais a crianças que terão sido cometidas no decurso desses 30 anos.

Em dezembro, uma presumível vítima, identificada como Nick, relatou aos investigadores como ele e vários outros meninos eram conduzidos a diferentes moradas de Londres e da sua periferia, incluindo bases militares, onde eram sexualmente agredidos por grupos de homens.

Ele acusou também deputados e outras figuras públicas de primeiro plano de estarem ligadas ao assassínio de três menores, com idades entre sete e 16 anos.

Lusa

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.