sicnot

Perfil

Mundo

Morreu o príncipe e ex-ministro da Arábia Saudita Saoud al-Faysal

O príncipe Saoud al-Faysal, que foi o chefe da diplomacia da Arábia Saudita durante 40 anos, morreu, anunciou hoje a família.   Segundo fontes sauditas, o príncipe terá morrido no estrangeiro na sequência de problemas cardíacos.

© Jamal Saidi / Reuters

Nascido em 1940, o príncipe Faysal sofria de vários problemas de saúde, nomeadamente de dificuldades em andar na sequência de uma intervenção cirúrgica a que foi submetido nos Estados Unidos da América.

"Que Deus o aceite no paraíso", escreveu o seu sobrinho Saoud Mohammed Al- Abdallah al-Faysal na sua conta na rede social Twitter.

Um outro membro da família - Nawaf al-Faysal, anunciou a morte do príncipe na rede social Facebook.

"Gostaria muito de desmentir a notícia da sua morte", escreveu no Twitter o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Osama Nugali.

Saoud al-Faysal foi o ministro de Negócios Estrangeiros que exerceu o cargo durante mais tempo, tendo servido quatro reis durante quatro décadas.

Em abril, pediu a demissão de funções invocando motivos de saúde, segundo um decreto publicado pela agência oficial saudita SPA. Na ocasião, foi nomeado conselheiro e emissário especial do rei Salman da Arábia Saudita.

Adel al-Jubeir substituiu o príncipe Saoud como chefe da diplomacia saudita no âmbito de uma grande remodelação efetuada pelo rei Salman, quando em janeiro último passou a liderar os destinos de uma das maiores potências petrolíferas do mundo.

Lusa

  • Eduardo Cabrita nomeado ministro da Administração Interna

    País

    O primeiro-ministro propôs esta quarta-feira ao Presidente da República a nomeação de Eduardo Cabrita para o cargo de ministro da Administração Interna e de Pedro Siza Vieira para ministro Adjunto do primeiro-ministro. A tomada de posse realiza-se no sábado às 09:00.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08