sicnot

Perfil

Mundo

Mulheres de Branco pediram para serem recebidas pelo papa na sua visita a Cuba

Um grupo de dissidentes cubanos, as Mulheres de Branco, pediu para ser recebido pelo papa Francisco, durante a sua viagem, em setembro, a Cuba, foi hoje divulgado pela sua dirigente, Berta Soler. 

© Claudia Daut / Reuters

"Reunimo-nos na quarta-feira com o núncio apostólico, monsenhor Giorgio Lingua, a quem entregámos uma carta endereçada ao papa, na qual lhe pedimos que nos receba quando visitar Cuba, apesar da sua apertada agenda", disse à agência noticiosa France Presse Berta Soler. 

"Sabemos que esse encontro não depende do núncio, mas ele mostrou-se muito recetivo, e garantiu-nos que ia transmitir a carta", acrescentou.

O grupo Mulheres de Branco, formado em 2003, é constituído por mulheres, viúvas e mães de presos políticos, e que todos os domingos se passeia numa determinada praça da capital cubana.

A Nunciatura Apostólica confirmou à France Presse a reunião, mas não fez qualquer outro comentário.

Soler disse ainda que informou o núncio sobre a situação dos Direitos Humanos em Cuba, e lhe entregou um CD com "testemunhos de mulheres e militantes que foram vítimas de repressões nas últimas semanas", bem como uma lista dos nomes dos presos políticos.

A dirigente afirmou-se preocupada com a visita do papa, prevista para 19 a 22 de setembro, "porque quando veio [a Cuba] Bento XVI [em março de 2012], o Governo interpelou centenas de opositores de modo a evitar que assistissem às eucaristias".

Lusa

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC