sicnot

Perfil

Mundo

FBI impediu planos para atentados no 4 de julho

O FBI informou na quinta-feira que impediu planos terroristas para atacar o solo norte-americano durante as festividades do 4 de julho, e alertou para possíveis novas ameaças nos próximos dias.

© Jonathan Ernst / Reuters

O diretor do FBI, James Comey, indicou que os planos terroristas eram “inspirados” pelo Estado Islâmico e no seu apelo para atacar os Estados Unidos, não precisando o número de planos abortados e os seus objetivos.

As operações policiais que decorreram em todo o país contra o terrorismo vinculado ao Estado Islâmico resultaram, nas últimas semanas, numa dezena de detenções.

“Creio que o nosso trabalho impediu planos para matar pessoas, provavelmente em ligação ao 4 de julho [Dia da Independência dos Estados Unidos]”, indiciou Comey.

Segundo o FBI, estes planos era “pouco sofisticados” e baseavam-se no recurso a armas brancas e de fogo.

De acordo com as autoridades, estes ataques não foram planeados por grupos terroristas a partir do estrangeiro, mas foi solicitada ajuda fora do país.

Esta “ajuda” consistiu no recrutamento dos agora detidos e no “incentivo” para que realizassem ataques em solo norte-americano, mediante comunicação online com membros do Estado Islâmico, através de programas de encriptação de dados.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.