sicnot

Perfil

Mundo

EUA investigam Deutsche Bank por alegada lavagem de dinheiro russo

As autoridades norte-americanas estão a investigar o grupo alemão Deutsche Bank sobre uma alegada lavagem de dinheiro na Federação Russa, informaram hoje pessoas envolvidas no assunto.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

A investigação está centrada em transações no montante de milhares de milhões de dólares, feitas pelo Deutsche Bank na Federação Russa, que os reguladores financeiros do Estado de Nova Iorque suspeitam terem sido uma forma de tirar dinheiro de forma ilegal do país, disseram estas fontes à AFP. 

O Departamento dos Serviços Financeiros (DFS, na sigla em Inglês) de Nova Iorque começou a investigar este importante banco alemão no início deste verão.

Estas fontes conhecedoras do dossiê adiantaram que vários clientes russos procuraram sem sucesso corromper um empregado do Deutsche Bank em Moscovo, para procurar esconder a origem do seu dinheiro. 

Uma porta-voz do Deutsche Bank disse que o maior credor alemão suspendeu "um pequeno número de indivíduos" do seu gabinete moscovita, durante uma inspeção interna. 

"Estamos comprometidos com a participação nos esforços internacionais para detetar e combater atividades suspeitas e agimos onde encontramos provas de más práticas", afirmou. 

O Deutsche Bank informou os reguladores britânicos da Autoridade de Comportamento Financeiro e alemães do BaFin das suas investigações internas às transações do escritório russo entre 2011 e 2015. 

Os investigadores nova-iorquinos suspeitam que compras de títulos feitas em Moscovo, através do Deutsche Bank, foram compensadas em paralelo por outras operações via Deutsche Bank em Londres em divisas. 

As investigações centram-se em saber se estas operações, designadas 'negociações espelho', permitiram a estes clientes movimentar grandes somas de dinheiro para fora da Federação Russa, escondendo a sua origem. 

Em abril, o Deutsche Bank foi multado em 600 milhões de dólares (545 milhões de euros) pelo DFS, na que foi uma parte das penalizações totais de 2,5 mil milhões de dólares aplicadas pelas autoridades norte-americanas e britânicas por o banco ter manipulado a taxa de juro interbancária, designada Libor, usada como referência em milhões de contratos em todo o mundo, na que foi uma conspiração que envolveu várias instituições financeiras. 

Lusa

  • "Não partilhei SMS com ninguém"
    0:43

    Caso CGD

    António Domingues afirma que nunca revelou o conteúdo das mensagens trocadas com o ministro das Finanças sobre a entrega das declarações de património ao Tribunal Constitucional. O tema dos SMS foi abordado pelo ex-presidente da Caixa na sequência de uma pergunta do PCP sobre declarações feitas por António lobo Xavier no programa da SIC Notícias "Quadratura do Círculo".

  • "As regras europeias de bem estar animal são dogmas", diz diretor-geral de Veterinária
    1:32

    País

    O diretor-geral de Alimentação e Veterinária considera que as regras de bem estar animal que existem na União Europeia (UE) "parecem configurar uma transfiguração antropomórfica dos animais". Em declarações à SIC, a propósito da exportação de animais vivos para países terceiros, que têm outras regras de abate, Fernando Bernardo defendeu ainda que o método usado em Israel provoca uma insensibilização mais rápida do que o praticada na UE.

  • PAN questiona Governo sobre aposta na exportação de animais vivos para o Médio Oriente
    1:56

    País

    O partido Pessoas-Animais-Natureza lembra que à luz do Regulamento nº. 1/2005 do Conselho Europeu, os estados-membros da União Europeia (UE) devem evitar transportar animais vivos em viagens de longo curso. O deputado André Silva considera, por isso, que "o Estado português está a incumprir o regulamento" ao fomentar estas viagens, numa clara aposta económica em torno da exportação de animais vivos para Israel e outros destinos fora da UE. Para o deputado do PAN, é muito difícil ou "mesmo impossível assegurar o bem estar dos animais" em viagens de vários dias.

  • Trump pensou que presidência "seria mais fácil"

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos Donald Trump afirmou que a Presidência é mais difícil do que pensava e que tem saudades da vida que levava antes, em entrevistas a propósito dos primeiros 100 dias em funções.