sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte anuncia primeira amnistia de presos em três anos

A Coreia do Norte anunciou hoje uma amnistia de presos, a primeira em três anos, por ocasião do 70.º aniversário da libertação do domínio colonial japonês e a fundação do Partido dos Trabalhadores.

© Damir Sagolj / Reuters

O indulto produz efeito a 1 de agosto, informou a agência oficial KCNA, sem facultar mais detalhes, nomeadamente sobre o número de presos vão ser abrangidos pela anunciada ordem de amnistia, referindo somente que a medida vai ser estendida aos "condenados por crimes contra o país e o seu povo".

As estimativas sobre a população prisional da Coreia do Norte variam, sendo calculada por organizações de defesa de direitos humanos em aproximadamente 200 mil pessoas, a maioria das quais detidas por motivos políticos e não pela prática de crimes.

O anúncio da libertação de presos surge numa altura em que vários países, incluindo os Estados Unidos e Coreia do Sul, procuram levar Kim Jong-un e o regime norte-coreano ao Tribunal Penal Internacional pelas violações de direitos humanos cometidas nos campos de trabalhos forçados do país.

Entre 80.000 e 120.000 pessoas, incluindo muitos prisioneiros políticos, permanecem encarceradas nestes campos, sujeitas a torturas, privação de alimentos e outros abusos, de acordo com um detalhado relatório publicado no início de 2014 pela ONU.

Após uma longa investigação, a comissão concluiu que a Coreia do Norte cometeu violações dos direitos humanos "sem paralelo no mundo contemporâneo".

Durante um ano, foram recolhidos testemunhos de exilados norte-coreanos e documentaram a existência de uma vasta rede de campos de prisioneiros, onde se praticam torturas, violações e execuções sumárias.

A amnistia anunciada hoje figura como a segunda na Coreia do Norte desde que Kim Jong-un chegou ao poder em dezembro de 2011.

A anterior teve lugar em fevereiro de 2012 por ocasião do centenário do nascimento de Kim Il-sung, fundador do país, e do 70.º aniversário de nascimento de Kim Jong-il, pai do atual líder.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.