sicnot

Perfil

Mundo

Família de negro morto pela polícia nos EUA vai ser indemnizada em 5,9 milhões de dólares

As autoridades de Nova Iorque anunciaram, na segunda-feira, um acordo amigável que prevê o pagamento de uma indemnização de 5,9 milhões de dólares à família de um homem negro morto há um ano após uma agressão policial.

A morte de Eric Garner e de Michael Brown desencadeou uma onda de massivos protestos nos EUA.

A morte de Eric Garner e de Michael Brown desencadeou uma onda de massivos protestos nos EUA.

© Elizabeth Shafiroff / Reuters

Em nota oficial, o dirigente da agência de controlo financeiro de Nova Iorque, Scott Stringer, indica que a cidade e os herdeiros de Garner decidiram resolver a disputa tendo em conta "os melhores interesses para todas as partes", depois de uma minuciosa revisão dos factos.

Eric Garner, de 43 anos, com seis filhos, morreu em 17 de julho de 2014. Suspeito de venda ilegal de cigarros, foi derrubado e manietado no solo por vários agentes brancos, dos quais um o segurou pelo pescoço, uma prática proibida pela polícia nova-iorquina, após oferecer resistência à detenção.

Obeso e asmático, queixou-se, por várias vezes, de não conseguir respirar antes de perder os sentidos, numa cena filmada por uma testemunha. Pouco depois, já no hospital, foi declarado o óbito.

O acordo amigável alcançado com os familiares da vítima evita a possibilidade de o caso seguir para tribunal, depois de a ação civil interposta, em outubro, por danos relacionados com a morte de Eric Garner.

Em 03 de dezembro, um júri decidiu não processar o agente implicado na morte -- esgotando a via penal --, mas manteve-se aberta a possibilidade de reclamar uma indemnização por danos civis.

A morte de Eric Garner e de Michael Brown (em 13 de agosto, em Ferguson, estado do Missouri), desencadeou uma onda de massivos protestos nos Estados Unidos, elevando as tensões raciais no país para níveis que não viam há uma série de décadas.

O caso de Garner "obrigou-nos a analisar o estado das relaciones raciais e a relação entre a nossa força policial e as pessoas a que deve servir", afirmou Scott Stringer no mesmo comunicado que não faculta, porém, detalhes sobre o acordo.

Segundo 'media' locais, a família de Garner recusou uma oferta prévia de 5 milhões de dólares como compensação para encerrar o caso.

Quando apresentaram a demanda civil, os familiares reclamaram 75 milhões de dólares em danos, numa ação que visava oito agentes, a cidade de Nova Iorque e a sua polícia.

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.