sicnot

Perfil

Mundo

Família de negro morto pela polícia nos EUA vai ser indemnizada em 5,9 milhões de dólares

As autoridades de Nova Iorque anunciaram, na segunda-feira, um acordo amigável que prevê o pagamento de uma indemnização de 5,9 milhões de dólares à família de um homem negro morto há um ano após uma agressão policial.

A morte de Eric Garner e de Michael Brown desencadeou uma onda de massivos protestos nos EUA.

A morte de Eric Garner e de Michael Brown desencadeou uma onda de massivos protestos nos EUA.

© Elizabeth Shafiroff / Reuters

Em nota oficial, o dirigente da agência de controlo financeiro de Nova Iorque, Scott Stringer, indica que a cidade e os herdeiros de Garner decidiram resolver a disputa tendo em conta "os melhores interesses para todas as partes", depois de uma minuciosa revisão dos factos.

Eric Garner, de 43 anos, com seis filhos, morreu em 17 de julho de 2014. Suspeito de venda ilegal de cigarros, foi derrubado e manietado no solo por vários agentes brancos, dos quais um o segurou pelo pescoço, uma prática proibida pela polícia nova-iorquina, após oferecer resistência à detenção.

Obeso e asmático, queixou-se, por várias vezes, de não conseguir respirar antes de perder os sentidos, numa cena filmada por uma testemunha. Pouco depois, já no hospital, foi declarado o óbito.

O acordo amigável alcançado com os familiares da vítima evita a possibilidade de o caso seguir para tribunal, depois de a ação civil interposta, em outubro, por danos relacionados com a morte de Eric Garner.

Em 03 de dezembro, um júri decidiu não processar o agente implicado na morte -- esgotando a via penal --, mas manteve-se aberta a possibilidade de reclamar uma indemnização por danos civis.

A morte de Eric Garner e de Michael Brown (em 13 de agosto, em Ferguson, estado do Missouri), desencadeou uma onda de massivos protestos nos Estados Unidos, elevando as tensões raciais no país para níveis que não viam há uma série de décadas.

O caso de Garner "obrigou-nos a analisar o estado das relaciones raciais e a relação entre a nossa força policial e as pessoas a que deve servir", afirmou Scott Stringer no mesmo comunicado que não faculta, porém, detalhes sobre o acordo.

Segundo 'media' locais, a família de Garner recusou uma oferta prévia de 5 milhões de dólares como compensação para encerrar o caso.

Quando apresentaram a demanda civil, os familiares reclamaram 75 milhões de dólares em danos, numa ação que visava oito agentes, a cidade de Nova Iorque e a sua polícia.

  • Santana diz que Marcelo por vezes faz de conta que é primeiro-ministro
    1:12

    País

    Santana Lopes diz que a expectativa que Passos Coelho criou sobre o mau desempenho do Governo se está a virar-se contra ele. Numa entrevista ao jornal Expresso deste sábado, o ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera contudo que Passos Coelho ainda poderá ganhar as próximas eleições. Sobre Marcelo, o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia diz que por vezes faz de conta que é o primeiro-ministro.

  • Coala do Zoo de Duisburg viaja para Lisboa 

    País

    A SIC acompanhou, em exclusivo, a transferência de uma coala do Zoo de Duisburg, na Alemanha, para o Jardim Zoológico de Lisboa. O animal foi transportado pela TAP e batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Uma reportagem para ver mais logo no Jornal da Noite da SIC.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.