sicnot

Perfil

Mundo

Mão humana pode ser mais primitiva do que a do chimpanzé

Cientistas defendem, num estudo hoje divulgado, que a mão humana pode ser mais primitiva do que a do chimpanzé, ao contrário do que se pensava.

© Herwig Prammer / Reuters

Até agora, a tese mais defendida era a de que o último antepassado comum entre o homem e os grandes símios era um animal com mãos similares às do chimpanzé atual.

O estudo, publicado na revista Nature Communications, conclui, no entanto, que a mão humana será mais próxima da do último antepassado comum entre o Homo sapiens (homem moderno) e os macacos, que vivia há milhões de anos.

"Os trabalhos revelam que a estrutura da mão do homem moderno é em grande parte primitiva, na sua natureza, e não o resultado de seleções naturais", tendo favorecido a produção de ferramentas em pedra.

As mãos dos chimpanzés e dos orangotangos evoluíram mais do que as do homem a partir do aparecimento do subgrupo dos hominídeos, comum aos homens modernos e aos macacos mais evoluídos.

Os dedos destes primatas alongaram-se em relação ao polegar, para que os símios pudessem balançar-se nas árvores, de ramo em ramo, enquanto a mão do homem tem um polegar proporcionalmente maior, que permite a cada um dos restantes dedos tocá-lo e formar uma espécie pinça.

A equipa de investigadores liderada por Sergio Almécija, do Centro de Paleontobiologia Humana da Universidade de George-Washington, nos Estados Unidos, concluiu, a partir de análises e medidas precisas aos ossos das mãos de homens modernos e de macacos vivos e fossilizados, que a mão humana teve relativamente "poucas alterações" em relação à do último antepassado comum com os grandes símios.

"Quando os hominídeos (família do homem moderno distinta da dos grandes símios) começaram a fabricar ferramentas de pedra de maneira sistemática, há provavelmente 3,3 milhões de anos, as suas mãos eram, em termos de proporções globais, um pouco como as nossas atuais", sustentou Sergio Almécija, citado pela agência noticiosa AFP.

Para o paleontólogo espanhol, "as mudanças pertinentes que favoreceram o desenvolvimento da cultura da ferramenta da pedra eram provavelmente de ordem neurológica", e não manual.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.