sicnot

Perfil

Mundo

Mão humana pode ser mais primitiva do que a do chimpanzé

Cientistas defendem, num estudo hoje divulgado, que a mão humana pode ser mais primitiva do que a do chimpanzé, ao contrário do que se pensava.

© Herwig Prammer / Reuters

Até agora, a tese mais defendida era a de que o último antepassado comum entre o homem e os grandes símios era um animal com mãos similares às do chimpanzé atual.

O estudo, publicado na revista Nature Communications, conclui, no entanto, que a mão humana será mais próxima da do último antepassado comum entre o Homo sapiens (homem moderno) e os macacos, que vivia há milhões de anos.

"Os trabalhos revelam que a estrutura da mão do homem moderno é em grande parte primitiva, na sua natureza, e não o resultado de seleções naturais", tendo favorecido a produção de ferramentas em pedra.

As mãos dos chimpanzés e dos orangotangos evoluíram mais do que as do homem a partir do aparecimento do subgrupo dos hominídeos, comum aos homens modernos e aos macacos mais evoluídos.

Os dedos destes primatas alongaram-se em relação ao polegar, para que os símios pudessem balançar-se nas árvores, de ramo em ramo, enquanto a mão do homem tem um polegar proporcionalmente maior, que permite a cada um dos restantes dedos tocá-lo e formar uma espécie pinça.

A equipa de investigadores liderada por Sergio Almécija, do Centro de Paleontobiologia Humana da Universidade de George-Washington, nos Estados Unidos, concluiu, a partir de análises e medidas precisas aos ossos das mãos de homens modernos e de macacos vivos e fossilizados, que a mão humana teve relativamente "poucas alterações" em relação à do último antepassado comum com os grandes símios.

"Quando os hominídeos (família do homem moderno distinta da dos grandes símios) começaram a fabricar ferramentas de pedra de maneira sistemática, há provavelmente 3,3 milhões de anos, as suas mãos eram, em termos de proporções globais, um pouco como as nossas atuais", sustentou Sergio Almécija, citado pela agência noticiosa AFP.

Para o paleontólogo espanhol, "as mudanças pertinentes que favoreceram o desenvolvimento da cultura da ferramenta da pedra eram provavelmente de ordem neurológica", e não manual.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".