sicnot

Perfil

Mundo

Polícia brasileira faz buscas na casa do ex-Presidente Collor de Mello

A Polícia Federal brasileira realizou hoje buscas nas casas do senador e ex-Presidente Fernando Collor de Mello (Partido Trabalhista Brasileiro), de ex-ministros e de outros políticos no âmbito da investigação sobre crimes na Petrobras.

© Ueslei Marcelino / Reuters

A operação, denominada de "Politeia", é um desdobramento da Operação Lava Jato, e incluiu 53 mandados de busca e apreensão em residências e escritórios de políticos suspeitos de corrupção na petroleira brasileira, segundo a imprensa brasileira.

Nas casas de Collor de Mello em Brasília e Alagoas, foram apreendidos três carros de luxo: uma Ferrari, um Porsche e um Lamborghini. A residência na capital federal, chamada de Casa da Dinda, foi usada pelo político como residência oficial da Presidência quando ocupou o cargo.

Collor de Mello foi eleito Presidente em 1989, mas, após ser suspeito em um escândalo de corrupção e tentar sustentar um Governo sem apoio político, foi destituído a 29 de setembro de 1992.

O político foi absolvido das acusações, cumpriu um período de oito anos de inelegibilidade, e voltou a ser eleito em 2006, como senador.

Outros políticos investigados pela operação são os ex-ministros do Governo de Dilma Rousseff Fernando Bezerra Coelho (Partido Socialista Brasileiro) e Mário Negromonte (Partido Progressista - PP), o senador Ciro Nogueira (PP), o deputado federal Eduardo da Fonte (PP) e o ex-deputado João Pizzolati (PP), mas não houve prisões.

Todos os investigados nessa operação negaram envolvimento com o esquema de corrupção e criticaram a ação da Polícia Federal, segundo a imprensa local.

Collor de Mello manifestou-se através da rede social Twitter, afirmando que a medida foi "invasiva, arbitrária e flagrantemente desnecessária".

O advogado de Ciro Nogueira, Antonio Carlos de Almeida Castro, afirmou ao portal de notícias G1 que a busca foi "abusiva" e que o senador já colocou à disposição da Justiça a sua informação fiscal, bancária e telefónica.

Lusa

  • Aviação russa matou mais de 11 mil pessoas na Síria

    Mundo

    Pelo menos 11.612 pessoas morreram na Síria em resultado dos bombardeamentos da aviação russa, aliada do Governo de Damasco, iniciados em 30 de setembro de 2015, de acordo com dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

  • Mais de 500 casos de sarampo na Europa este ano, avisa OMS

    Mundo

    Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no verão do ano passado.