sicnot

Perfil

Mundo

Irão tem papel a desempenhar para acabar com guerra na Síria, defende Obama

O Presidente dos EUA, Barack Obama, disse esta quarta-feira que o Irão tem um papel a desempenhar na procura de um fim para a sangrenta guerra civil na Síria.

O Presidente norte-americano falava na Casa Branca durante uma conferência de imprensa para apresentar o acordo sobre o nuclear concluído com o Irão na terça-feira.

O Presidente norte-americano falava na Casa Branca durante uma conferência de imprensa para apresentar o acordo sobre o nuclear concluído com o Irão na terça-feira.

© Joshua Roberts / Reuters

Considerando que não há solução militar para o conflito que envolve uma série de atores regionais, Obama afirmou que o Irão é um ator importante.

O Presidente norte-americano falava na Casa Branca durante uma conferência de imprensa para apresentar o acordo sobre o nuclear concluído com o Irão na terça-feira.

Sobre este assunto, Obama considerou que Israel tem boas razões para se inquietar com as práticas iranianas, mas sublinhou que o Irão ainda seria mais perigoso se possuísse a arma nuclear.

"Israel tem inquietações legítimas quanto à sua segurança em relação ao Irão. (...) Penso que há muito boas razões para que os israelitas estejam nervosos com a posição iraniana no mundo em geral", afirmou Obama.

Na ocasião, acrescentou que o acordo nuclear concluído com Teerão não acaba com os diferendos entre norte-americanos e iranianos, devido em particular às suas atividades no Médio Oriente e ao seu apoio ao Hezbollah.

"Mesmo com este acordo, continuamos a ter profundas divergências com o Irão", declarou Obama, que acrescentou que "o Irão continua a representar um desafio para os interesses e valores" dos EUA.

O Presidente dos EUA detalhou que o objetivo principal do acordo nuclear, alcançado na terça-feira em Viena, não era o de resolver os vários diferendos com a República Islâmica, entre os quais o do seu alegado "apoio ao terrorismo" e os seus "esforços de desestabilização" no Médio Oriente.

Em si, o acordo "resolve um problema particular, que era impedir que o Irão fabricasse uma bomba", destacou Obama, insistindo que isso serve os interesses dos EUA e dos seus aliados.

"Mas nós continuamos a ter problemas com o apoio dos iranianos ao terrorismo, o seu financiamento de aliados como o Hezbollah, que ameaça Israel e a região", continuou, mencionando também o Iémen.

"Os contactos vão continuar limitados. Vamos incitá-los a enveredarem por uma via mais construtiva? Claro, mas não contamos com isso", respondeu, quando questionado sobre o futuro das relações entre os dois Estados.

Obama disse ainda que espera que o Congresso norte-americano avalie o acordo "com base em factos e não em política", salientando que todos os analistas coincidem no entendimento de que o acordo impede o Irão de desenvolver uma arma nuclear.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.

  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57