sicnot

Perfil

Mundo

Irão tem papel a desempenhar para acabar com guerra na Síria, defende Obama

O Presidente dos EUA, Barack Obama, disse esta quarta-feira que o Irão tem um papel a desempenhar na procura de um fim para a sangrenta guerra civil na Síria.

O Presidente norte-americano falava na Casa Branca durante uma conferência de imprensa para apresentar o acordo sobre o nuclear concluído com o Irão na terça-feira.

O Presidente norte-americano falava na Casa Branca durante uma conferência de imprensa para apresentar o acordo sobre o nuclear concluído com o Irão na terça-feira.

© Joshua Roberts / Reuters

Considerando que não há solução militar para o conflito que envolve uma série de atores regionais, Obama afirmou que o Irão é um ator importante.

O Presidente norte-americano falava na Casa Branca durante uma conferência de imprensa para apresentar o acordo sobre o nuclear concluído com o Irão na terça-feira.

Sobre este assunto, Obama considerou que Israel tem boas razões para se inquietar com as práticas iranianas, mas sublinhou que o Irão ainda seria mais perigoso se possuísse a arma nuclear.

"Israel tem inquietações legítimas quanto à sua segurança em relação ao Irão. (...) Penso que há muito boas razões para que os israelitas estejam nervosos com a posição iraniana no mundo em geral", afirmou Obama.

Na ocasião, acrescentou que o acordo nuclear concluído com Teerão não acaba com os diferendos entre norte-americanos e iranianos, devido em particular às suas atividades no Médio Oriente e ao seu apoio ao Hezbollah.

"Mesmo com este acordo, continuamos a ter profundas divergências com o Irão", declarou Obama, que acrescentou que "o Irão continua a representar um desafio para os interesses e valores" dos EUA.

O Presidente dos EUA detalhou que o objetivo principal do acordo nuclear, alcançado na terça-feira em Viena, não era o de resolver os vários diferendos com a República Islâmica, entre os quais o do seu alegado "apoio ao terrorismo" e os seus "esforços de desestabilização" no Médio Oriente.

Em si, o acordo "resolve um problema particular, que era impedir que o Irão fabricasse uma bomba", destacou Obama, insistindo que isso serve os interesses dos EUA e dos seus aliados.

"Mas nós continuamos a ter problemas com o apoio dos iranianos ao terrorismo, o seu financiamento de aliados como o Hezbollah, que ameaça Israel e a região", continuou, mencionando também o Iémen.

"Os contactos vão continuar limitados. Vamos incitá-los a enveredarem por uma via mais construtiva? Claro, mas não contamos com isso", respondeu, quando questionado sobre o futuro das relações entre os dois Estados.

Obama disse ainda que espera que o Congresso norte-americano avalie o acordo "com base em factos e não em política", salientando que todos os analistas coincidem no entendimento de que o acordo impede o Irão de desenvolver uma arma nuclear.

Lusa

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.