sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de tartarugas resgatadas após seis meses em cativeiro nas Filipinas

Milhares de tartarugas raras foram resgatadas nas Filipinas, após terem sido mantidas em cativeiro, em péssimas condições, durante seis meses, pondo em risco a extinção da espécie, anunciou hoje uma perita em vida selvagem.

Tartarugas de floresta Palawam.

Tartarugas de floresta Palawam.

turtleconservancy.org

Ativistas da vida selvagem invadiram o armazém a 17 de junho passado, na cidade de Bataraza, perto do extremo sul de Palawan, nas Filipinas, tendo encontrado mais de quatro mil 'tartarugas de água doce' vivas e 90 mortas.

Neste resgate, foram também encontradas 3.831 'tartarugas de floresta Palawam', uma espécie em perigo, bem como 160 'tartarugas folha' e 25 'tartarugas de caixa do sudeste asiático'.

"Este número iguala a restante população estimada de 'tartarugas de floresta Palawan' na natureza, levando assim a espécie até à extinção", revelou Sabine Schoppe, diretora do Programa de Conservação das Tartarugas Philippine Freshwater.

Aparentemente, os répteis foram armazenados sem comida, nem água, durante seis meses.

"As tartarugas estavam em péssimas condições", afirmou Sabine Schoppe, explicando que estas foram transferidas para um centro de resgate de crocodilos em perigo, na capital provincial de Puerto Princesa, nas Filipinas, o único local na ilha capaz de abrigar um número tão elevado de animais.

Muitas das tartarugas resgatadas sofriam de uma variedade de doenças e lesões, tendo os veterinários trabalhado em contrarrelógio para salvar os animais, disse Sabine Schoppe, em comunicado.

Desde que foram resgatadas, morreram 360 tartarugas, cerca de 230 estão ainda a ser tratadas e as restantes foram lançadas de volta na natureza, adiantou Schoppe.

O guarda do armazém foi interrogado pela polícia, mas não foi detido, revelou Jannifer Lyn Yap, membro da divisão de regulação e aplicação de Palawan para o Desenvolvimento Sustentável, um órgão do Governo encarregado de proteger a vida selvagem na ilha.

O proprietário continua foragido, acrescentou.

O comunicado divulgado revela que existem suspeitas de que as tartarugas estavam destinadas aos mercados de Hong Kong e da China.

"A nossa suposição é de que elas tivessem como fim os mercados chineses, onde são procuradas como alimento ou animais de estimação", afirmou Jannifer Yap.

As 'tartarugas folha' resgatadas são consideradas "quase ameaçadas" segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza, com sede na Suíça.

Já as 'tartarugas de caixa do sudeste asiático' são consideradas "vulneráveis" pela mesma organização.

Nas Filipinas, manter em cativeiro ou negociar tartarugas florestais Palawan é punível com penas de prisão e multas avultadas.

Lusa