sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 42 mortos em bombardeamentos no oeste do Iraque

Pelo menos 42 pessoas morreram e 30 ficaram feridas, esta quarta-feira, em ataques aéreos e combates entre as forças de segurança e 'jihadistas' do grupo extremista Estado Islâmico (EI) na província de Al-Anbar, no oeste do Iraque.

Uma fonte da segurança citada pela agência de notícias espanhola EFE indicou que as operações do exército iraquiano e dos grupos populares avançaram até Ramadi a partir de três eixos: de oeste, sudoeste e sul da cidade.

Uma fonte da segurança citada pela agência de notícias espanhola EFE indicou que as operações do exército iraquiano e dos grupos populares avançaram até Ramadi a partir de três eixos: de oeste, sudoeste e sul da cidade.

© STRINGER Iraq / Reuters

Uma fonte da segurança citada pela agência de notícias espanhola EFE indicou que as operações do exército iraquiano e dos grupos populares avançaram até Ramadi a partir de três eixos: de oeste, sudoeste e sul da cidade.

Esse avanço provocou intensos combates entre as forças de segurança e os extremistas do EI em diferentes zonas.

A mesma fonte acrescentou que homens armados atacaram as forças de segurança com quatro veículos armadilhados conduzidos por suicidas, o que desencadeou confrontos entre os dois grupos.

Nesses ataques e combates morreram pelo menos oito polícias e dezenas de 'jihadistas' e ficaram feridas outras 17 pessoas.

A oeste de Ramadi, noutro atentado com veículo armadilhado que embateu contra um posto de controlo conjunto na zona de Al-Najib, morreram pelo menos oito membros das milícias populares leais ao exército e dois polícias.

Os bombardeamentos da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos provocaram a morte de pelo menos 15 terroristas na ilha de Al-Khalidiya, a leste de Ramadi, referiu a mesma fonte.

Também quatro civis e cinco extremistas morreram e outras 13 pessoas, na maioria civis, ficaram feridas num ataque aéreo do exército iraquiano contra bairros da cidade de Fallujah, a 50 quilómetros a oeste de Bagdad.

As forças de segurança iraquianas e milícias xiitas iniciaram há dois dias, na província de Al-Anbar, uma segunda ofensiva, cujo principal objetivo é recuperar a capital, Ramadi, tomada ao exército pelos 'jihadistas' a 17 de maio numa operação relâmpago que forçou a fuga precipitada dos soldados iraquianos.

O EI controla várias cidades da província iraquiana de Al-Anbar, incluindo Ramadi e Fallujah, tendo mesmo chegado até à zona fronteiriça com a Síria.

Al-Anbar é a província mais vasta do Iraque, ocupando cerca de um terço do seu território, e faz fronteira com a Arábia Saudita, a Jordânia e a Síria.

O Iraque trava desde junho de 2014 uma violenta guerra contra o EI, que conquistou amplas parcelas do seu território e proclamou um califado nas zonas que controla no país e na vizinha Síria.

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47