sicnot

Perfil

Mundo

Autor de tiroteio em sala de cinema nos EUA em 2012 considerado culpado

O autor do tiroteio numa sala de cinema em Aurora, Estado do Colorado, nos Estados Unidos da América, em julho de 2012, que matou 12 pessoas e feriu outras 70, foi hoje considerado culpado.

© POOL New / Reuters

Os 12 jurados do Tribunal Centennial tinham de avaliar se o jovem, James Holmes, atualmente com 27 anos, estava ou não mentalmente são quando abriu fogo num cinema lotado para a estreia do filme "O Cavaleiro das Trevas Renasce", da personagem Batman.

O crime ocorreu a 20 de julho. A maior parte das vítimas mortais tinha idades compreendidas entre os 20 e os 30 anos. A vítima mais velha tinha 51 anos, enquanto a mais nova tinha seis.

No mesmo mês, a acusação anunciou que o suspeito do tiroteio ia ser julgado por 24 acusações de homicídio e 116 de tentativa de homicídio.

James Holmes também foi acusado de posse de explosivos, encontrados no seu apartamento.

Em maio do ano seguinte, a defesa do presumível autor do massacre informou que este pretendia declarar-se "não culpado", alegando demência.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".