sicnot

Perfil

Mundo

Dupla explosão no nordeste da Nigéria provoca vários mortos

Uma dupla explosão registou-se hoje à tarde no mercado central de Gombe, no nordeste da Nigéria, provocando mortos, segundo testemunhas no local.

Foto de Arquivo

Foto de Arquivo

© Afolabi Sotunde / Reuters

A primeira explosão ocorreu às 17:20 locais (mesma hora em Lisboa) junto a uma loja de sapatos, que estava cheia de clientes a fazerem as compras para o feriado que marca o fim do mês do Ramadão, e a segunda registou-se dois minutos depois na mesma zona, disse um comerciante, acrescentando que observou "muitos mortos".

"Estava a uns 70 metros do local a conversar com um amigo sobre a primeira bomba que tinha explodido em frente a uma loja de sapatos e, nesse momento, havia muitas pessoas no mercado", adiantou.

O comerciante afirmou que várias pessoas correram para ajudar os feridos quando uma outra explosão ocorreu junto a uma loja de porcelanas, situada defronte da sapataria.

"Muitas pessoas foram mortas e há mutos feridos", disse.

Um outro comerciante, que visitou o local após as explosões, referiu que viu "uma cena de caos", existindo muitas pessoas "deitadas no chão" e outras "com ferimentos graves".

O número de vítimas ainda não foi divulgado pelas autoridades.

Borno, onde fica situado Gombe, Yobe e Adamawa são os três estados do nordeste da Nigéria mais atingidos pelos ataques do grupo radical islâmico Boko Haram, que já provocaram a morte a mais de 15.000 pessoas em seis anos.

O mercado e a estação de autocarros da cidade de Gombe têm sido palco de atentados e ataques suicidas nos últimos meses.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.