sicnot

Perfil

Mundo

Merkel explica política de asilo a menina em lágrimas em risco de deportação

A chanceler alemã, Angela Merkel, enfrentou hoje uma onda de indignação nas redes sociais, após a divulgação de um vídeo mostrando a sua interação, considerada desajeitada, com uma menina palestiniana em lágrimas por estar prestes a ser deportada.

© Axel Schmidt / Reuters

Numa semana em que a Alemanha se confrontou com críticas internacionais pela rigidez das suas atitudes em relação à endividada Grécia, Merkel foi também acusada de frieza, enquanto outros avançavam em sua defesa.

A chefe do executivo alemão encontrava-se num debate público com adolescentes, na cidade de Rostock, no norte do país, no âmbito de uma iniciativa governamental intitulada "Viver Bem na Alemanha".

Como se vê no vídeo transmitido pela televisão pública, a menina palestiniana, chamada Reem, disse a Merkel que a sua família tinha sido informada de que teria em breve de regressar a um campo de refugiados no Líbano só para poder receber um visto de residência temporária na Alemanha.

"Eu queria ir para a universidade", disse Reem, que passou os últimos quatro anos a requerer asilo na Alemanha, em alemão fluente.

"É realmente muito difícil ver como as outras pessoas podem aproveitar a vida e nós não. Não sei o que o futuro me trará", comentou Reem.

Merkel expressou solidariedade antes de defender as políticas de asilo do seu Governo.

"A política pode ser dura", afirmou.

"Tu podes ser uma pessoa extremamente boa, mas também sabes que há milhares e milhares de pessoas em campos de refugiados palestinianos no Líbano", prosseguiu.

A chanceler alemã acrescentou ainda que a Alemanha não poderia suportar o fardo de acolher todas as pessoas que, fugindo à guerra e à pobreza, gostariam de se mudar para a maior economia da Europa em busca de uma vida melhor.

"Não conseguiríamos aguentar", observou.

O debate público continuou por mais alguns minutos, até que Merkel notou que Reem estava a chorar.

"Mas saíste-te muito bem", disse Merkel, fazendo-lhe uma festa.

O moderador interveio: "Não penso, senhora chanceler, que seja uma questão de se sair bem, mas antes de uma situação muito difícil".

"Eu sei que é uma situação difícil -- foi por isso que quis fazer-lhe uma festa", disse Merkel, acrescentando que o que quis transmitir à menina foi que realmente, a sua situação é difícil, mas que descreveu muito bem a situação de muitas, muitas pessoas.

A primeira-ministra alemã não projeta a imagem de uma pessoa de trato fácil, mas após quase dez anos no poder, ainda goza de um impressionante nível de popularidade, de cerca de 70%.

Contudo, o vídeo provocou uma forte reação, com os seus críticos dizendo que falta à líder alemã empatia.

No Twitter, na Alemanha, o tema mais popular foi #Merkelstreichelt (as festas de Merkel).

"Se tem o problema de achar Merkel demasiado simpática, veja este vídeo e preste atenção ao final", escreveu a blogger Sascha Lobo.

"Esta semana tem sido fantástica para a diplomacia pública alemã. O que faltava era a Merkel fazer uma criança refugiada chorar", 'tweetou' o escritor de origem bielorrussa Evgeny Morozov.

No entanto, Merkel também teve defensores.

"Ela foi honesta e claramente nada fria", disse a jornalista de esquerda Ines Pohl.

Pohl disse que teria sido mais cruel fazer falsas promessas à menina ou fugir à pergunta e observou que até a maioria dos alemães começar a apoiar políticas de asilo bastante mais liberais, as mãos de Merkel estão atadas.

A Alemanha acolheu 200.000 requerentes de asilo no ano passado e espera até 450.000 este ano.

Lusa

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Opinião

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.