sicnot

Perfil

Mundo

Quarenta e nove mortos e 71 feridos em explosão na Nigéria

Uma dupla explosão hoje à tarde no mercado central de Gombe, no nordeste da Nigéria, provocou, pelo menos, 49 mortos e 71 feridos, segundo os serviços de socorro e testemunhas locais.

© Afolabi Sotunde / Reuters

A primeira explosão ocorreu às 17:20 locais (mesma hora em Lisboa) junto a uma loja de sapatos, que estava cheia de clientes a fazerem as compras para o feriado que marca o fim do mês do Ramadão, e a segunda registou-se dois minutos depois na mesma zona, disse um comerciante.

Um funcionário dos serviços de resgate adiantou que as vítimas foram levadas para dois hospitais da cidade, estando "muitos dos feridos em estado crítico", pelo que poderá o número de mortos aumentar.

Borno, onde fica situado Gombe, Yobe e Adamawa são os três estados do nordeste da Nigéria mais atingidos pelos ataques do grupo radical islâmico Boko Haram, que já provocaram a morte a mais de 15.000 pessoas em seis anos.

O mercado e a estação de autocarros da cidade de Gombe têm sido palco de atentados e ataques suicidas nos últimos meses.

As duas explosões de hoje ainda não foram reivindicadas.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.