sicnot

Perfil

Mundo

Tragédia do voo MH17 foi há um ano

Morreram 298 pessoas. O voo MH17 da Malaysia Airlines, foi abatido sobre o leste da Ucrânia. Os EUA pedem investigação internacional sobre queda do avião.

© Sergei Karpukhin / Reuters

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, pediu, esta quinta-feira, uma investigação internacional independente à tragédia do voo MH17 da Malaysia Airlines, abatido sobre o leste da Ucrânia, com 298 pessoas a bordo, há um ano.

"Os nossos pensamentos permanecem com aqueles que morreram. Juntamo-nos aos seus amigos, familiares e entes queridos em honra da sua memória", afirmou o chefe da diplomacia norte-americana.

O Boeing 777 da Malaysia Airlines foi abatido a 17 de julho de 2014 no leste da Ucrânia perto da linha da frente dos confrontos entre as tropas ucranianas e as forças separatistas pró-russas.

Em comunicado, John Kerry recordou o que afirmara poucos dias depois da tragédia, mantendo que os Estados Unidos acreditam que o avião "foi abatido por um míssil terra-ar, lançado a partir de território controlado pelos separatistas no leste da Ucrânia".

"Um ano depois, reafirmamos, com veemência, o nosso compromisso relativamente a uma investigação internacional independente".

Segundo John Kerry, esta deveria permitir identificar todos os factos em torno da tragédia, possibilitando o apuramento de responsáveis.

Esta quinta-feira, os investigadores da Holanda responsabilizaram os rebeldes pró-russos pelo abate do avião, que transportava 298 pessoas, a maioria dos quais holandeses.

O Conselho de Segurança da Holanda, que dirige a investigação, divulgou um relatório com esses dados às entidades congéneres dos outros países que participam nas investigações, assim como à Boeing, fabricante do aparelho.

O voo, que estabelecia a rota entre Amesterdão e Kuala Lumpur, foi abatido quando sobrevoava o leste da Ucrânia em 17 de julho de 2014.

A Holanda defendeu a criação de um tribunal especial, sob os auspícios das Nações Unidas, para julgar os responsáveis, um pedido apoiado nomeadamente pela Malásia, Bélgica, Austrália e Ucrânia.

A ideia não foi, porém, bem recebida pela Rússia, membro permanente do Conselho de Segurança da ONU com poder de veto.

A generalidade da comunidade internacional atribui o derrube do avião da Malaysia Airlines a membros das forças favoráveis à Rússia, mas Moscovo sempre rejeitou qualquer participação no acontecido.

As autoridades holandesas assinalam hoje o primeiro aniversário da tragédia com um ato de natureza privada, na cidade de Nieuwegein, com a presença de familiares das vítimas, que foram, à exceção de duas, todas identificadas, refere o portal de notícias Dutchnews.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.