sicnot

Perfil

Mundo

Jovem que matou quatro fuzileiros nos EUA trabalhou numa central nuclear

O atirador solitário que matou, na quinta-feira, quatro militares nos EUA, antes de ser abatido, trabalhou por um curto período de tempo, numa central nuclear no Ohio em 2013, disse uma porta-voz à agência AFP.

John Bazemore

Mohammad Yussuf Abdulazeez trabalhou como engenheiro na central de energia nuclear Perry, na costa do Lago Erie, entre 20 e 30 de maio de 2013, indicou o operador FirstEnergy.

Em declarações à agência AFP, a porta-voz da empresa Stephanie Walton indicou que o jovem identificado como o autor dos disparos "nunca teve acesso sem escolta nem entrou na área de segurança da central".

"Abdulazeez foi dispensado porque se determinou que não cumpria os requisitos mínimos para o emprego", disse, explicando a curta passagem do jovem de 24 anos pela central.

Nascido no Kuwait e naturalizado norte-americano apenas tinha acesso a um edifício administrativo para receber formação geral, referiu.

Segundo a porta-voz, os funcionários da Perry notificaram a administração da central quando reconheceram Abdulazeez nas imagens divulgadas pelos órgãos de comunicação social relativas ao tiroteio.

A administração da central nuclear contactou então a Comissão Reguladora e outros departamentos governamentais, estando a cooperar na aplicação da lei, acrescentou.

Uma das maiores centrais do seu tipo nos Estados Unidos, a Perry emprega cerca de 720 trabalhadores no complexo de 445 hectares.

Na manhã de quinta-feira, Abdulazeez atacou primeiro um gabinete de recrutamento dos 'marines', antes de se dirigir para um centro de reservistas, em Chattanooga, no estado do Tennessee.

Entre os quatro fuzileiros mortos inclui-se o sargento Thomas Sullivan, que participou em duas missões no Iraque, onde foi ferido.

O ataque fez ainda três feridos, um instrutor, outro militar e um polícia.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC