sicnot

Perfil

Mundo

Encerramento de praia para rei saudita causa polémica no sul de França

O encerramento iminente de uma praia pública no sul de França, para garantir a proteção do rei saudita durante as suas férias, está a causar polémica e a lançar o descontentamento entre os utilizadores habituais do local.

© Jean-Pierre Amet / Reuters

© Jean-Pierre Amet / Reuters

© Jean-Pierre Amet / Reuters

© Jean-Pierre Amet / Reuters

Situada nos rochedos entre uma via férrea e as águas translúcidas do Mediterrâneo, a propriedade da família real saudita estende-se por um quilómetro de litoral no Golfo Juan, em Vallauris, nas proximidades de Cannes, em França.

É aqui que o rei Salman da Arábia Saudita, no poder desde a morte do rei Abdallah em janeiro último, deverá encontrar-se na próxima semana, segundo fonte da prefeitura, que acaba de decretar a interdição de acesso ao litoral ao longo desta 'vila saudita'.

A polícia marítima, por seu turno, emitiu uma ordem semelhante que determina a interdição de navegação num raio de 300 metros junto à propriedade saudita.

Segundo a imprensa francesa, o rei Salman, de79 anos, será acompanhado por mais de 400 pessoas durante as suas férias, entre as quais, para além de membros da família real, elementos de equipas médicas.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.