sicnot

Perfil

Mundo

Atentado faz pelo menos 27 mortos na fronteira sírio-turca

Uma explosão na vila turca de Suruc, perto da fronteira com a Síria, matou pelo menos 27 pessoas e feriu mais de 100, relatam as agências de notícias. O ministro do Interior turco já classificou a explosão como um atentado.

Fronteira sírio-turca, entre Suruc e Kobani.

Fronteira sírio-turca, entre Suruc e Kobani.

© Murad Sezer / Reuters

As autoridades locais citadas pela estação televisiva apontavam para um atentado ligado ao Estado Islâmico.

De acordo com os primeiros relatos, houve um incêndio logo após um grande estrondo que arrasou com os vidros do edifício de um centro cultural de Suruc, e as primeiras imagens mostram corpos ensanguentados no chão e as ambulâncias a apressarem-se para o local.

O atentado surge numa altura em que a Turquia tem tentado endurecer o combate a este grupo terrorista islâmico. Na semana passada, as autoridades prenderam dezenas de militantes e simpatizantes do Estado Islâmico, naquilo que foi a ação mais significativa de Ankara contra os terroristas que controlam partes da Síria e do Iraque, países que fazem fonteira com a Turquia.

Suruc alberga um dos maiores campos de refugiados sírios, que procuram escapar ao quarto ano de conflitos no seu país.

O campo de refugiados alberga cerca de 35 mil pessoas.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.