sicnot

Perfil

Mundo

Atentado faz pelo menos 27 mortos na fronteira sírio-turca

Uma explosão na vila turca de Suruc, perto da fronteira com a Síria, matou pelo menos 27 pessoas e feriu mais de 100, relatam as agências de notícias. O ministro do Interior turco já classificou a explosão como um atentado.

Fronteira sírio-turca, entre Suruc e Kobani.

Fronteira sírio-turca, entre Suruc e Kobani.

© Murad Sezer / Reuters

As autoridades locais citadas pela estação televisiva apontavam para um atentado ligado ao Estado Islâmico.

De acordo com os primeiros relatos, houve um incêndio logo após um grande estrondo que arrasou com os vidros do edifício de um centro cultural de Suruc, e as primeiras imagens mostram corpos ensanguentados no chão e as ambulâncias a apressarem-se para o local.

O atentado surge numa altura em que a Turquia tem tentado endurecer o combate a este grupo terrorista islâmico. Na semana passada, as autoridades prenderam dezenas de militantes e simpatizantes do Estado Islâmico, naquilo que foi a ação mais significativa de Ankara contra os terroristas que controlam partes da Síria e do Iraque, países que fazem fonteira com a Turquia.

Suruc alberga um dos maiores campos de refugiados sírios, que procuram escapar ao quarto ano de conflitos no seu país.

O campo de refugiados alberga cerca de 35 mil pessoas.

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.