sicnot

Perfil

Mundo

Donald Trump na liderança na corrida à nomeação republicana para a Casa Branca

O magnata norte-americano Donald Trump, que fez as controversas declarações sobre mexicanos ilegais nos Estados Unidos, consolidou a sua liderança na corrida à nomeação republicana para a Casa Branca, segundo uma pesquisa hoje divulgada.

© Jim Young / Reuters

O magnata do setor imobiliário é o favorito de 24% dos eleitores republicanos entrevistados para uma pesquisa publicada pelo Washington Post e pela ABC News.

Donald Trump ficou muito à frente dos seus rivais Scott Walker, que obteve 13%, e de Jed Bush, 12%.

Segundo o Washington Post, a pesquisa foi realizada entre quinta-feira e domingo, e a maioria das pessoas interrogadas desconhecia as declarações proferidas contra o senador John McCain, antigo piloto da Marinha dos Estados Unidos, capturado e detido durante cinco anos durante a guerra do Vietname.

Após as controversas declarações contra John McCain a popularidade de Donald Trump caiu acentuadamente.

O senador norte-americano criticou Donald Trump pelos seus comentários anti-imigrantes.

Irritado com as críticas, Donald Trump afirmou, no sábado, que o senador não era um herói de guerra, porque foi capturado.

"Eu gosto de pessoas que não foram capturadas", disse.

Num país que adora os seus soldados, atacar um ex-prisioneiro de guerra torturado é considerado uma falta grave e muitos republicanos condenaram imediatamente as declarações.

Donald Trump "deveria pedir desculpas às famílias daqueles que se sacrificaram em conflitos e aos que tiveram de suportar a prisão ao serviço do seu país", disse segunda-feira John McCain à MSNBC.

Lusa

  • Sismo de 3,1 com epicentro a 8 km de Almodôvar

    País

    Um sismo de magnitude 3,1 na escala de Richter com epicentro a cerca de oito quilómetros a nordeste de Almodôvar, distrito de Beja, foi hoje sentido no continente, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

  • ADSE quer poupar 29 milhões com nova tabela de preços
    2:50

    Economia

    A nova tabela de preços - que a ADSE quer que entre em vigor a 1 de março - pretende poupar 29 milhões de euros, nos cuidados de saúde prestados fora das unidades públicas aos funcionários do Estado. Os hospitais privados consideram a proposta irreal e ameaçam pôr fim aos acordos com a ADSE.

  • Paris afetada por praga de ratos
    1:03