sicnot

Perfil

Mundo

Empresários de construtoras brasileiras condenados pela Justiça e indiciados pela polícia no caso Petrobras

A Operação Lava Jato, que investiga crimes cometidos na brasileira Petrobras, resultou hoje na condenação pela Justiça de empresários da construtora Camargo Corrêa e no indiciamento pela Polícia Federal de Marcelo Odebrecht, presidente da empresa com o mesmo nome.

© Paulo Whitaker / Reuters

As duas construtoras têm ligações com países lusófonos. A Odebrecht é a maior empreiteira brasileira e lidera projetos de infraestruturas também em Portugal, Angola, Moçambique e Guiné Equatorial.

Já a Camargo Corrêa é controlada pelo grupo Camargo Corrêa que, através da sua participada InterceCement, controla mais de 90% da Cimpor (Cimentos de Portugal), e teve como Presidente do Conselho de Administração para África o executivo Armando Vara, detido em Portugal no âmbito da Operação Marquês.

O ex-presidente da Camargo Corrêa, Dalton Avancini, o ex-vice-presidente Eduardo Hermelino Leite e o ex-presidente do Conselho de Administração João Auler são os primeiros empresários de construtoras a serem condenados no âmbito da operação Lava Jato, por corrupção, branqueamento de capitais, associação criminosa e pagamento de suborno durante as obras de duas refinarias, segundo a imprensa brasileira.

Avancini e Hermelino Leite, condenados a mais de dez anos de prisão, fizeram um acordo de "delação premiada", para ceder informações em troca de uma possível redução na pena. Auler recebeu uma pena de nove anos de prisão.

Entre os condenados também estão o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, e o "doleiro" (que faz operações ilegais com a moeda) Alberto Yousseff, que também alcançaram um acordo de "delação premiada" e um agente da polícia federal, acusado de realizar a entrega do dinheiro de suborno.

Todos podem ainda recorrer.

Já o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, foi indiciado hoje pela Polícia Federal juntamente com outras sete pessoas, quatro delas ex-executivos da construtora, sob suspeita de corrupção, branqueamento de ativos, fraude em adjudicações e crime contra a ordem económica, relativos a contratos da Petrobras.

Devido às suas ligações com a Odebrecht, o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva começou a ser investigado pela Procuradoria federal em Brasília por tráfico internacional de influência, por alegadamente ter favorecido a construtora na obtenção de contratos durante viagens para África e América Latina, entre 2011 e 2014.

Lula da Silva nega ter cometido qualquer ato ilegal e pediu a suspensão do inquérito, enquanto o Ministério Público solicitou informações da Operação Lava Jato para juntar ao inquérito.

Marcelo Odebrecht foi detido no último dia 19 de junho, na 14.ª fase da Operação Lava Jato. Preso no mesmo dia, o presidente da construtora Andrade Gutierrez também foi indiciado, segundo relatório divulgado domingo pela Polícia Federal.

A Andrade Gutierrez, citada pela imprensa brasileira, nega participação em atividades ilegais.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.