sicnot

Perfil

Mundo

ONU aprova por unanimidade acordo sobre programa nuclear iraniano

O Conselho de Segurança da ONU adotou hoje por unanimidade uma resolução que aprova o acordo assinado pelo Irão e as grandes potências e prepara o levantamento das sanções internacionais que asfixiam a economia iraniana.

© Mike Segar / Reuters

Desde que o Irão respeite escrupulosamente o acordo, as sete resoluções que a ONU adotou desde 2006 para castigar Teerão "serão revogadas", estipula o texto da resolução.

O acordo histórico com Teerão foi concluído na passada terça-feira, em Viena, pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, China, Rússia, França e Reino Unido) e a Alemanha.

No documento prevê-se a suspensão progressiva e condicional das sanções, em troca de garantias de que Teerão não fabricará armas atómicas.

Nos termos da resolução, o Conselho valida o acordo de Viena, "pede que seja aplicado plenamente de acordo com o calendário definido" pelos negociadores e apela aos países-membros da ONU para que facilitem a sua aplicação.

O Conselho encarrega a Agência Internacional da Energia Atómica (AIEA) de "proceder às verificações e controlos necessários dos compromissos nucleares assumidos pelo Irão", como a limitação do número das centrifugadoras ou do 'stock' de matéria físsel, exigindo "uma colaboração plena" do Irão com a AIEA.

Quando o Conselho receber o relatório da AIEA a constatar que o programa nuclear iraniano é, a partir da data, totalmente pacífico, as sete resoluções tomadas pela ONU desde 2006 para sancionar o Irão (resoluções 1696, 1737, 1747, 1803, 1835, 1929 e 2224) "serão revogadas".

Estas resoluções proíbem o comércio de bens ou de serviços relacionados com as atividades nucleares iranianas, congelam os bens financeiros de personalidades e sociedades iranianas e impõem embargos de armamento convencional e mísseis balísticos.

Estes dois embargos vão continuar em vigor, durante cinco anos para o primeiro e oito anos para o segundo.

Ao fim de dez anos, período de validade do acordo de Viena, a ONU fechará o dossier Irão.

Mas se Teerão violar qualquer um dos compromissos assumidos, o Conselho poderá restabelecer todas as sanções de forma quase automática.

Basta que um dos cinco membros permanentes do Conselho, que têm o direito de veto, apresente uma resolução a estipular que as sanções devem continuar em vigor e vete a atual, para fazer com que sejam restabelecidas as sanções.

Este mecanismo inédito, denominado "snapback", estará em vigor durante toda a duração do acordo, ou seja, dez anos.

As grandes potências anunciaram já a intenção de prolongar aquele mecanismo por mais cinco anos através de uma nova resolução. O Irão estará assim obrigado a manter as condições do acordo durante 15 anos.

Os Estados Unidos e a UE decretaram também sanções económicas unilaterais contra o Irão, nomeadamente nas áreas da energia e das finanças. O acordo de Viena prevê também o seu levantamento progressivo e condicional.

O acordo de Viena tem ainda de ser aprovado no Congresso norte-americano, que deve pronunciar-se no prazo de 60 dias e cuja maioria republicana é contrária ao acordo.

A UE afirmou hoje esperar que o Irão desempenhe um "papel construtivo" na estabilização do Médio Oriente, mas o guia supremo iraniano, o 'ayatollah' Ali Khamenei, advertiu já que o país vai continuar a apoiar "os amigos", como o regime sírio ou os rebeldes xiitas no Iémen.

Lusa

  • Maria Cavaco Silva "muito espantada" com caso Raríssimas
    0:56

    País

    Maria Cavaco Silva disse hoje que ficou surpreendida e preocupada com as suspeitas de irregularidades na associação Raríssimas. A ex-primeira dama garante que desconhecia a situação e afirma que Portugal não é "abonado" ao ponto de poder desperdiçar o trabalho feito, lembrando que os utentes não podem sofrer com a polémica.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela. 

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28