sicnot

Perfil

Mundo

Sarkozy em visita à Tunísia lembra as 22 vítimas do atentado de março

Sarkozy em visita à Tunísia lembra as 22 vítimas do atentado de março

Nicolas Sarkozy está na Tunísia para uma visita de três dias. O antigo presidente francês visitou o Museu do Bardo para prestar homenagem às 22 vítimas que lá morreram no atentado de março.

  • Londres alerta para risco de novo ataque na Tunísia
    1:31

    Mundo

    O governo britânico diz ser "altamente provável" um novo ataque terrorista na Tunísia e por isso aconselha a saída de todos os cidadãos britânicos do país. Londres considera que as autoridades tunisinas não têm feito o suficiente para aumentar a segurança desde o ataque de Sousse.

  • Mentor de atentado na Tunísia foi morto em raide aéreo na Líbia
    1:30

    Mundo

    Uma semana depois do atentado na Tunísia, em Sousse, foi prestada homenagem às 38 vítimas do massacre, no Parlamento britânico. As cerimónias acontecem no mesmo dia em que as autoridades da Tunísia divulgaram a morte do homem que planeou o ataque da última sexta-feira, que terá sido morto em junho, num raide aéreo na Líbia.

  • Trinta e sete mortos em dia sangrento na Tunísia
    1:45

    Mundo

    A Tunisia viveu esta sexta-feira o atentado mais grave da sua história. 37 pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas quando um homem armado abriu fogo numa praia da estância turística de Sousse, a 150 quilómetros da capital. De acordo com as autoridades tunisinas, o atacante foi morto e um outro suspeito foi detido.

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.