sicnot

Perfil

Mundo

Identificados genes animais que se adaptam às alterações climáticas

Cientistas identificaram pela primeira vez os genes que permitem a certas espécies de peixes adaptarem-se ao aquecimento dos oceanos causado pelas alterações climáticas, informou hoje a australiana Universidade James Cook.

No nordeste da Austrália encontra-se a Grande Barreira de Coral, o maior recife do mundo, com muitas espécies sob ameaça devido aos resíduos e ao aquecimento global (Reuters/ Arquivo)

No nordeste da Austrália encontra-se a Grande Barreira de Coral, o maior recife do mundo, com muitas espécies sob ameaça devido aos resíduos e ao aquecimento global (Reuters/ Arquivo)

© David Gray / Reuters

No projeto conjunto com a saudita Universidade King Abdullah, os investigadores analisaram várias gerações de peixes numa experiência com corais num laboratório no estado de Queensland (nordeste australiano).

"Alguns peixes têm uma capacidade única para se adaptarem a temperaturas da água mais elevadas em poucas gerações", disse Heather Veilleux, do centro de investigação de corais (Coral CoE) da Universidade James Cook.

Com avançada tecnologia molecular, a equipa de investigadores identificou 53 genes envolvidos na aclimatização a longo prazo e através de várias gerações às altas temperaturas.

Veilleux revelou que a descoberta vai ajudar a entender melhor o processo de adaptação dos peixes, assim como a identificar as espécies mais vulneráveis e as mais tolerantes perante as alterações no meio ambiente.

Segundo o estudo, os genes e moléculas encarregados da produção de energia e das respostas do sistema imunológico são a chave para a adaptação num ambiente em que as temperaturas estão a subir.

No nordeste da Austrália encontra-se a Grande Barreira de Coral, o maior recife do mundo, com muitas espécies sob ameaça devido aos resíduos e ao aquecimento global.

Lusa

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.