sicnot

Perfil

Mundo

Julgamento de Hissène Habré por crimes contra a humanidade adiado até setembro

O julgamento por crimes contra a humanidade do ex-Presidente do Chade, Hissène Habré, foi hoje adiado para setembro para que os seus advogados possam preparar a defesa.

© Stringer Afghanistan / Reuter

Neste segundo dia do julgamento, Hissène Habré, de 72 anos, foi novamente obrigado a comparecer no tribunal em Dacar e, rejeitando representação legal, forçou o tribunal a encarregar três advogados da sua defesa, segundo a agência France Presse (AFP).

A próxima sessão foi marcada para o dia 07 de setembro e o juiz que preside ao processo, Gberdao Gustave Kam, disse que os advogados designados têm o dever de "defender os interesses de Hissène Habré, mesmo contra a sua vontade", acrescentando desejar "um julgamento justo".

Após ouvir a decisão, o ex-Presidente levantou-se, ergueu o punho fechado e fez um sinal de vitória perante os apoiantes presentes.

Habré, outrora conhecido como o "Pinochet Africano", é acusado de crimes de guerra, crimes contra a humanidade e tortura durante o seu regime, mas recusa reconhecer o que considera ser um tribunal ilegítimo.

Se for condenado, o homem que governou o Chade entre 1982 e 1990 arrisca uma sentença entre 30 anos de prisão e trabalhos forçados perpétuos.

O adiamento levantou preocupações entre os representantes da acusação, com o advogado francês William Bourdon a avisar que este poderia permitir ao acusado "sabotar e paralisar" o tribunal.

Reed Brody, da organização de direitos humanos Human Rights Watch, afirmou que as vítimas estavam consternadas pela decisão, mas que o mesmo apenas era um pequeno passo atrás numa luta por justiça que se prolonga há 25 anos.

"As vítimas ficaram obviamente muito desapontadas pelo adiamento, mas há 25 anos que lutam para levar este caso a tribunal, e mais 45 dias não mudam nada na sua longa marcha até à justiça", declarou o ativista, que trabalha com as vítimas do ex-Presidente desde 1999, acrescentando que "embora o regime de Hissène Habré tenha detido milhares de pessoas sem julgamento ou até mesmo sem advogado, num julgamento realizado em nome da justiça só é adequado que o próprio Habré seja defendido da melhor forma possível".

Adiado durante anos pelo Senegal, onde Habré vive desde que aí se exilou após ter sido derrubado em 1990 por um golpe de estado, o julgamento representa um marco histórico, uma vez que até agora os líderes africanos acusados de atrocidades têm sido julgados por tribunais internacionais, fora do continente africano.

Grupos de direitos humanos estimam que cerca de 40.000 chadianos terão sido mortos pelo seu regime, na repressão contra opositores políticos e grupos étnicos rivais.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.