sicnot

Perfil

Mundo

Ritual de iniciação mata 32 rapazes na África do Sul

As cerimónias tradicionais de iniciação na África do Sul resultaram na morte de 32 rapazes e na hospitalização de mais de 150, indicaram hoje as autoridades locais, quando a época anual de iniciação chegou ao fim.

© Thomas Mukoya / Reuters

A maioria dos adolescentes morreu em consequência de circuncisões mal feitas, disse Sifiso Ngcobo, porta-voz do ministério dos Assuntos Tradicionais, acrescentando que a circuncisão é um elemento importante da cerimónia que assinala a passagem de rapaz para homem.

"Outros morreram devido a espancamentos, desidratação ou exposição a condições anti-higiénicas", precisou.

Das mortes, 27 ocorreram na rural e profundamente tradicional província do Cabo, no leste do país, onde Ngcobo referiu que mais de 150 rapazes foram hospitalizados com queimaduras, ferimentos graves na cabeça e, num caso, um pénis parcialmente amputado.

O ritual de passagem para a idade adulta inclui geralmente um retiro no mato de entre duas e quatro semanas e é encarado como um teste à resistência física.

A época dos rituais dura cerca de seis semanas e coincide com o pico do inverno na África do Sul. E todos os anos, há mortos e mutilados.

Uma comissão concluiu no ano passado que mais de 400 rapazes morreram e 500 mil foram hospitalizados depois de frequentarem as escolas de iniciação de inverno entre 2008 e 2013, sendo a maior causa complicações relacionadas com infeções pós-circuncisão.

As mortes têm sido largamente condenadas por instituições governamentais e entidades defensoras dos direitos culturais, embora algumas defendam as iniciações tradicionais.

"É realmente lamentável e infeliz", disse Zolani Mkiva, porta-voz do rei Xhosa, Zwelonke Sigcawu, citado pela agência de notícias francesa, AFP.

"Este é um dos mais importantes rituais da nossa sociedade. Por mais importante que seja, não podemos permitir que se percam vidas por sua causa. A importância da vida é maior que a importância do ritual", sustentou.

A maioria das mortes ocorre em escolas de iniciação clandestinas, em que há rapazes que foram raptados e obrigados a submeter-se ao ritual.

Em junho, a polícia sul-africana salvou 11 adolescentes de circuncisão forçada, depois de os pais terem apresentado queixa que eles tinham sido raptados na rua para participarem na iniciação.

Este ano, o Governo encerrou mais de 150 escolas ilegais, incluindo uma no Soweto, às portas de Joanesburgo.

Os pais têm sido encorajados a recorrer à justiça, interpondo processos criminais.

Lusa

  • IPSS no Seixal alvo de processo e auditoria financeira
    1:47

    País

    A Segurança Social está fazer mais uma inspeção total a uma IPSS, agora na Associação Unitária de Reformados, Pensionistas e Idosos do Seixal. A fiscalização já recolheu documentação e está agora a passar a pente fino as contas, os serviços e todos os procedimentos da Instituição.

    Investigação SIC - Hoje no Jornal da Noite

    SIC

  • "Vai custar muito a voltarmos à realidade"
    2:22
  • Ministro alemão elogia Centeno que está otimista com o futuro da Zona Euro
    1:13

    Economia

    Mário Centeno diz que a Zona Euro tem um futuro positivo pela frente e acredita que o grupo dos países do euro está alinhado num projeto comum. Declarações do novo presidente do Eurogrupo no final de um encontro com o ministro das Finanças alemão, em Berlim. Peter Altmaier deu Portugal como exemplo de sucesso e reconheceu que foi um erro dividir a Europa entre Norte e Sul durante os anos da crise.

  • Trump mentalmente apto para ser Presidente dos EUA

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos foi na semana passada sujeito aos exames médicos anuais obrigatórios. O médico oficial da Casa Branca informou esta terça-feira que Donald Trump está de "excelente" saúde, não apenas física, mas também mental. As dúvidas sobre as capacidades cognitivas de Trump ganharam força após as revelações feitas no livro "Fire and Fury: Inside the Trump White House".

    SIC

  • Quando o frio até as pestanas congela

    Mundo

    Os termómetros desceram até aos - 67º Celsius em Yakutia, 5.300 quilómetros a Este de Moscovo, na Rússia. Nesta região, os estudantes estão habituados a manter as rotinas, mesmo quando as valores chegam aos - 40º Celsius, mas esta terça-feira as autoridades encerraram escolas e aconselharam a população a ficar em casa, longe do frio que até as pestanas congela.

    SIC