sicnot

Perfil

Mundo

Três jornalistas espanhóis estão há nove dias desaparecidos na Síria

Os jornalistas espanhóis Ángel Sastre, José Manuel López e Antonio Pampliega estão há nove dias desaparecidos na Síria, onde se encontravam em reportagem, indicou a presidente da Federação de Associações de Jornalistas de Espanha (FAPE), Elsa González.

© Bassam Khabieh / Reuters

Os jornalistas espanhóis Ángel Sastre, José Manuel López e Antonio Pampliega estão há nove dias desaparecidos na Síria, onde se encontravam em reportagem, indicou a presidente da Federação de Associações de Jornalistas de Espanha (FAPE), Elsa González.

Segundo a mesma fonte, citada pela agência de notícias espanhola, EFE, os três cidadãos espanhóis, que trabalhavam como 'freelancers' entraram em Alepo através do sul da Turquia, a 10 de julho, e dois dias depois, a 12 de julho, perdeu-se o contacto com eles, desconhecendo-se desde então o seu paradeiro.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros espanhol está "ao corrente da situação", de acordo com fontes do departamento dirigido por José Manuel García-Margallo, que se limitaram a acrescentar que estão "a trabalhar no assunto".

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".