sicnot

Perfil

Mundo

Civis esmagados por tanques das tropas do Sudão do Sul, segundo a Human Rights Watch

As tropas governamentais sul-sudanesas esmagaram civis com tanques, cometeram violações e queimaram pessoas vivas em público, acusou a Human Rights Watch (HRW), num relatório divulgado hoje.

© Eric Gaillard / Reuters

No documento, denominado "Queimaram Tudo", a organização de defesa dos direitos humanos baseia-se em entrevistas feitas a "174 vítimas e testemunhas dos acontecimentos em Unity, estado do norte do país.

O documento contém alegações das atrocidades cometidas pelas forças militares governamentais no decorrer do 19.º mês da guerra civil, as quais documentam "os deliberados ataques sobre civis e que constituem crimes de guerra".

Os ataques foram alegadamente perpetrados pelas tropas do Governo e por uma milícia aliada, da tribo Bul Nuer -- a segunda maior tribo do Sudão do Sul.

"Eles perseguiam as pessoas com os tanques e, depois de as atingir, invertiam a marcha para confirmarem que as tinham matado", disse à HRW uma testemunha.

Os corpos esmagados de dois homens foram encontrados por familiares destes, refere ainda o documento.

Uma mulher, na casa dos 30 anos, testemunhou também à mesma organização ter visto o sobrinho ser "perseguido e esmagado por um tanque antes de conseguir chegar ao rio".

Na tentativa de escapar, os civis fugiram para os pântanos, mas as tropas perseguiram-nos com veículos anfíbios armados, cujas metralhadoras destruíram todos os esconderijos possíveis.

"[As pessoas] foram perseguidas como gado", segundo o testemunho de uma mulher do distrito de Koch, do estado de Unity.

O relatório dá ainda conta de 63 casos de violação, salientando, no entanto, que a HRW acredita que este número é apenas parcial.

A guerra civil do Sudão do Sul deflagrou em dezembro de 2013 quando o Presidente Salva Kiir acusou o seu anterior vice-presidente, Riek Machar, de ter planeado um golpe de Estado.

A acusação originou um ciclo de represálias e assassínios que dividiu este país entre grupos étnicos rivais.

No passado dia 09 de julho, o Sudão do Sul completou quatro anos de independência, depois da sua cisão do Sudão, encontrando-se devastado após um ano e meio de conflitos.

Cerca de dois milhões de pessoas abandonaram as suas casas desde então e perto de metade dos 12 milhões de habitantes precisam de ajuda humanitária para sobreviver, segundo uma recente estimativa da Nações Unidas.

Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.