sicnot

Perfil

Mundo

Civis esmagados por tanques das tropas do Sudão do Sul, segundo a Human Rights Watch

As tropas governamentais sul-sudanesas esmagaram civis com tanques, cometeram violações e queimaram pessoas vivas em público, acusou a Human Rights Watch (HRW), num relatório divulgado hoje.

© Eric Gaillard / Reuters

No documento, denominado "Queimaram Tudo", a organização de defesa dos direitos humanos baseia-se em entrevistas feitas a "174 vítimas e testemunhas dos acontecimentos em Unity, estado do norte do país.

O documento contém alegações das atrocidades cometidas pelas forças militares governamentais no decorrer do 19.º mês da guerra civil, as quais documentam "os deliberados ataques sobre civis e que constituem crimes de guerra".

Os ataques foram alegadamente perpetrados pelas tropas do Governo e por uma milícia aliada, da tribo Bul Nuer -- a segunda maior tribo do Sudão do Sul.

"Eles perseguiam as pessoas com os tanques e, depois de as atingir, invertiam a marcha para confirmarem que as tinham matado", disse à HRW uma testemunha.

Os corpos esmagados de dois homens foram encontrados por familiares destes, refere ainda o documento.

Uma mulher, na casa dos 30 anos, testemunhou também à mesma organização ter visto o sobrinho ser "perseguido e esmagado por um tanque antes de conseguir chegar ao rio".

Na tentativa de escapar, os civis fugiram para os pântanos, mas as tropas perseguiram-nos com veículos anfíbios armados, cujas metralhadoras destruíram todos os esconderijos possíveis.

"[As pessoas] foram perseguidas como gado", segundo o testemunho de uma mulher do distrito de Koch, do estado de Unity.

O relatório dá ainda conta de 63 casos de violação, salientando, no entanto, que a HRW acredita que este número é apenas parcial.

A guerra civil do Sudão do Sul deflagrou em dezembro de 2013 quando o Presidente Salva Kiir acusou o seu anterior vice-presidente, Riek Machar, de ter planeado um golpe de Estado.

A acusação originou um ciclo de represálias e assassínios que dividiu este país entre grupos étnicos rivais.

No passado dia 09 de julho, o Sudão do Sul completou quatro anos de independência, depois da sua cisão do Sudão, encontrando-se devastado após um ano e meio de conflitos.

Cerca de dois milhões de pessoas abandonaram as suas casas desde então e perto de metade dos 12 milhões de habitantes precisam de ajuda humanitária para sobreviver, segundo uma recente estimativa da Nações Unidas.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".