sicnot

Perfil

Mundo

Civis esmagados por tanques das tropas do Sudão do Sul, segundo a Human Rights Watch

As tropas governamentais sul-sudanesas esmagaram civis com tanques, cometeram violações e queimaram pessoas vivas em público, acusou a Human Rights Watch (HRW), num relatório divulgado hoje.

© Eric Gaillard / Reuters

No documento, denominado "Queimaram Tudo", a organização de defesa dos direitos humanos baseia-se em entrevistas feitas a "174 vítimas e testemunhas dos acontecimentos em Unity, estado do norte do país.

O documento contém alegações das atrocidades cometidas pelas forças militares governamentais no decorrer do 19.º mês da guerra civil, as quais documentam "os deliberados ataques sobre civis e que constituem crimes de guerra".

Os ataques foram alegadamente perpetrados pelas tropas do Governo e por uma milícia aliada, da tribo Bul Nuer -- a segunda maior tribo do Sudão do Sul.

"Eles perseguiam as pessoas com os tanques e, depois de as atingir, invertiam a marcha para confirmarem que as tinham matado", disse à HRW uma testemunha.

Os corpos esmagados de dois homens foram encontrados por familiares destes, refere ainda o documento.

Uma mulher, na casa dos 30 anos, testemunhou também à mesma organização ter visto o sobrinho ser "perseguido e esmagado por um tanque antes de conseguir chegar ao rio".

Na tentativa de escapar, os civis fugiram para os pântanos, mas as tropas perseguiram-nos com veículos anfíbios armados, cujas metralhadoras destruíram todos os esconderijos possíveis.

"[As pessoas] foram perseguidas como gado", segundo o testemunho de uma mulher do distrito de Koch, do estado de Unity.

O relatório dá ainda conta de 63 casos de violação, salientando, no entanto, que a HRW acredita que este número é apenas parcial.

A guerra civil do Sudão do Sul deflagrou em dezembro de 2013 quando o Presidente Salva Kiir acusou o seu anterior vice-presidente, Riek Machar, de ter planeado um golpe de Estado.

A acusação originou um ciclo de represálias e assassínios que dividiu este país entre grupos étnicos rivais.

No passado dia 09 de julho, o Sudão do Sul completou quatro anos de independência, depois da sua cisão do Sudão, encontrando-se devastado após um ano e meio de conflitos.

Cerca de dois milhões de pessoas abandonaram as suas casas desde então e perto de metade dos 12 milhões de habitantes precisam de ajuda humanitária para sobreviver, segundo uma recente estimativa da Nações Unidas.

Lusa

  • Presidente do Sporting vai processar um dos sócios do clube
    0:42

    Desporto

    Bruno de Carvalho anunciou esta sexta-feira que vai processar o sócio José Pedro Rodrigues. O presidente do Sporting acusa o sócio de ter posto a circular um documento falso que revelava que Bruno de Carvalho estaria a ser investigado por causa das transferências de Bruno César e Alan Ruiz. O caso fez Bruno de Carvalho tomar uma decisão sobre o futuro.

  • Bruno de Carvalho contra almoço de Dias da Cunha e Menezes Rodrigues com Luís Filipe Vieira
    1:17

    Desporto

    Bruno de Carvalho insurgiu-se, esta sexta-feira, contra Dias da Cunha e Menezes Rodrigues por terem estado, em Setúbal, num almoço com Luís Filipe Vieira. Durante o discurso na Assembleia-geral do clube, o presidente dos leões considerou lamentável a atitude dos dois sportinguistas numa altura em que o Benfica é acusado pelos rivais de poder estar envolvido num alegado esquema de corrupção e tráfico de influências.

  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho. 

  • Johnny Depp pede desculpa por piada a sugerir assassínio de Trump

    Mundo

    Johnny Depp pediu esta sexta-feira desculpa por ter feito uma piada sobre assassinar Donald Trump, durante a sua atuação no Festival de Glastonbury, em Inglaterra. "Quando foi a última vez que um ator assassinou um Presidente?", foi assim que o ator e músico falou para a multidão que o estava a ver. Contudo, as declarações não foram bem recebidas pela Casa Branca, que emitiu um comunicado a condenar as palavras.