sicnot

Perfil

Mundo

Eurotunnel pede indeminização aos governos francês e britânico

O grupo Eurotunnel pediu hoje uma indeminização de 9,7 milhões de euros aos governos francês e britânico para compensar as despesas e perdas operacionais com migrantes que tentam alcançar a Grã-Bretanha através do túnel da Mancha.

© Vincent Kessler / Reuters

"No primeiro semestre, já foram comprometidos 13.000.000 de euros em despesas de segurança, equivalente ao total gasto em 2014", anunciou hoje o grupo, sublinhando que a legislação prevê que uma parte dessas despesas seja apoiada pelos Estados que admitiram a exploração do túnel.

A Eurotunnel revelou que "o Governo britânico já se comprometeu a pagar 4,7 milhões de euros em 2015".

A empresa anunciou que continua a garantir de uma forma intermitente a proteção do túnel e a controlar a passagem de migrantes para a Grã-Bretanha, explicando que "o número de migrantes intercetados pelas forças britânicas pode ser contados pelos dedos de uma mão".

"O essencial é intercetado na França e isso tem um custo", concluiu o CEO da Eurotunnel, Jacques Gounon, durante a apresentação dos resultados provisórios do Grupo.

A empresa explicou, na mesma apresentação, que, dos 9,7 milhões de euros reivindicados, cerca de dois terços correspondem a despesas extra, como novas barreiras que impedem os migrantes ou camiões de entrar no túnel, e o restante diz respeito a uma perda operacional.

O grupo acredita que o número de migrantes em Calais, no norte da França, é amplamente subestimado e, consequentemente, a quantidade das forças de segurança é insuficiente.

"Acho que o ministro do Interior disse recentemente que havia dois mil migrantes na floresta em Calais e todas as pessoas locais sabem que há cinco mil", afirmou Jacques Gounon.

A Eurotunnel já tinha feito um pedido nesse sentido no início d o ano 2000 por um número de migrantes menor do que o atual. Nessa altura, a empresa foi bem sucedida e o Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia tinha estimado um prejuízo de 24 milhões de euros.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.