sicnot

Perfil

Mundo

FBI diz que atirador de Chattanooga terá atuado sozinho

O FBI indicou hoje que o autor dos disparos que custaram a vida a cinco militares norte-americanos agiu sozinho e sem qualquer ajuda e considerou ser ainda demasiado cedo para referir se estava radicalizado.

© Tami Chappell / Reuters

Questiando se Mohamad Yussuf Abdulazeez, 24 anos, recebeu diretivas de uma organização estrangeira, o agente especial do FBI responsável pela investigação, Ed Reinhold, indicou que "de momento, era considerado um extremista violento interno".

"Pensamos que atuou sozinho nesse dia, pensamos que entrou sozinho no recinto [do centro de reservistas]. Não temos a indicação que alguém o tenha ajudado", declarou durante uma conferência de imprensa em Chattanooga, cidade localizada no Estado do Tennessee, e onde ocorreram os disparos.

No entanto, o inquérito "ainda está no início" e "é muito cedo para determinar se estava ou não radicalizado", acrescentou Ed Reinhold, sublinhando que mais de 400 pessoas estavam mobilizadas para este caso, para além de 250 agentes do FBI no terreno.

Os investigadores trabalham nessa direção, e decerto com a colaboração da Jordânia, para onde o jovem viajou, e onde residiria o seu tio.

Antigo estudante da universidade do Tennessee e diplomado em Engenharia, terá aberto um blogue que não demonstrava radicalização nem continha ameaças.

"A vida é curta e amarga" e os muçulmanos não deveriam "perder a oportunidade de se submeteram a Alá", escreveu recentemente no blogue, segundo a organização norte-americana SITE.

No anuário do seu liceu, tinha igualmente deixado um comentário: "O meu nome desencadeia alertas na segurança nacional. E o vosso?". Apenas teve um incidente com a polícia, quando foi detido em abril por conduzir em estado de embriaguez.

Na manhã de quinta-feira, o jordano nascido no Kuwait e naturalizado norte-americano, atacou primeiro um gabinete de recrutamento dos 'marines', antes de se dirigir para um centro de reservistas.

Entre os cinco 'marines' mortos inclui-se o sargento Thomas Sullivan, que participou em duas missões no Iraque, onde foi ferido.

O ataque fez ainda dois feridos, um militar e um polícia.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC