sicnot

Perfil

Mundo

Polícia italiana confisca 2 mil milhões de euros em bens a grupo mafioso

A polícia italiana confiscou hoje bens avaliados em cerca de dois mil milhões de euros, pertencentes a um grupo mafioso da Calábria que operava no setor dos jogos e de apostas, indicaram em comunicado responsáveis policiais.

© Erik de Castro / Reuters

Entre os bens confiscados, incluem-se 1.500 salas de apostas e ainda perto de 60 sociedades, incluindo 11 que operavam no estrangeiro.

O procurador de Reggio Calabria (sul) emitiu igualmente 28 mandados de captura contra os principais responsáveis e impôs a outros 23 suspeitos diversas medidas, incluindo a prisão domiciliária ou a obrigação de se apresentarem à polícia, revelou a mesma fonte.

De acordo com o comunicado, todos estes suspeitos identificados com a Ndrangheta, a máfia calabresa, "exerceram de forma abusiva, com a ajuda de sociedades maltesas, a sua atividade no domínio dos jogos e apostas em todo o território nacional, lavando importantes quantidades de dinheiro de origem ilegal", precisa o comunicado.

"Contornaram as leis que regem o setor, realizando importantes lucros que foram de seguida reinvestidos na aquisição de novas sociedades e licenças para alargar ainda mais as suas atividades", acrescenta o comunicado.

O grupo "que controla sociedades na Áustria, Espanha e na Roménia, com uma sede estável em Malta, tinha igualmente operado no passado com licenças das Antilhas holandesas, do Panamá e da Roménia", segundo a mesma fonte.

Entre as 11 sociedades estrangeiras, seis são maltesas, duas romenas, duas outras espanholas e uma é austríaca.

"Foi um golpe muito forte desferido na 'Ndrangheta", felicitou-se o ministro do Interior, Angelino Alfano.

Há duas semanas, as autoridades italianas confiscaram bens num valor de 1,6 mil milhões de euros e que pertenciam a uma família mafiosa siciliana suspeita de pretender desviar a atenção do seu próprio império ao promover um combate contra a corrupção.

Segundo a direção antimáfia (DIA) de Palermo, trata-se de "uma das maiores apreensões jamais efetuadas", num total de 33 empresas, essencialmente no setor do cimento, centenas de casas, mansões e imóveis, 80 contas bancárias ou mais de 40 veículos.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15