sicnot

Perfil

Mundo

Abate de árvores punido com prisão perpétua na Birmânia

Um tribunal da Birmânia condenou 153 cidadãos chineses à prisão perpétua por abate ilegal de árvores, informaram hoje os ''media'' locais.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Neil Hall / Reuters

Dois menores, de 17 anos, foram condenados a uma pena de dez anos de cadeia e uma mulher, sobre a qual pesava já uma pena de prisão perpétua, foi considerada culpada por posse de droga, tendo sido acrescidos 15 anos de cadeia, disse Myint Swe, juiz do distrito de Myitkyina, no norte do país, à emissora Radio Free Asia.

O grupo foi detido em janeiro perto da fronteira com a China, no estado de Kachin.

"Tentámos que a sentença fosse o mais justa possível considerando também o ponto de vista do meio ambiente", referiu o magistrado.

O governo civil birmanês, que herdou o poder da extinta junta militar em 2011, proibiu no ano passado a exportação de madeira em bruto na tentativa de controlar a indústria madeireira.

A China é o principal destino da madeira birmanesa.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".