sicnot

Perfil

Mundo

Famílias de 153 chineses condenados a perpétua em Myanmar pedem ajuda a governo

Um grupo de 90 familiares de 153 chineses condenados a prisão perpétuaem Myanmar, antiga Birmânia, por abate ilegal de árvores concentrou-se junto à sede de um governo regional para pedir ajuda, informa hoje o diário Global Times.

© Stringer . / Reuters

O grupo concentrou-se nos arredores da sede do governo de Tengchong, situado a cerca de 50 quilómetros da fronteira com Myanmar, mas não chegou a ser atendido pelas autoridades locais chinesas, contou ao diário Duan Liying, uma das manifestantes, mulher de um dos condenados a prisão perpétua.

"O governo de Tengchong disse-nos várias vezes que esperamos ter mais informação sobre a detenção, que creio que é injusta", afirmou Duan.

Um tribunal da cidade de Myitkyina, capital do estado de Kachin, condenou na quarta-feira a prisão perpétua 153 cidadãos chineses por abate ilegal de árvores e sentenciou outros dois, menores de idade, a dez anos de prisão.

O governo civil birmanês, que herdou o poder da extinta junta militar em 2011, proibiu no ano passado a exportação de madeira em bruto na tentativa de controlar a indústria madeireira.

A China é o principal destino da madeira de Myanmar.

Lusa

  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.