sicnot

Perfil

Mundo

Gaza tem a maior taxa de desemprego do mundo

Milhares de residentes em Gaza passam as segundas-feiras ao sol, num território que sofre o maior nível de desemprego do mundo, agravado pela falta de atividades lúdicas ou impossibilidade de circular devido ao bloqueio israelita apoiado pelo Egito.

© Mohammed Salem / Reuters

Um recente relatório do Banco Mundial advertiu que os bloqueios, a guerra e a pobre gestão do governo estrangularam a economia de Gaza, que tem uma taxa de desemprego de 40%, a mais elevada do mundo, que se agrava com a taxa de 60% de desemprego nos jovens.

Esta faixa costeira de 362 quilómetros quadrados e onde residem 1,8 milhões de pessoas, cujo número sobe em 50.000 anualmente, converteu-se num buraco negro onde as oportunidades de emprego são inexistentes e o empreendedorismo uma quimera, refere a agência noticiosa espanhola Efe.

Isareal impôs um cerco à faixa de Gaza, que considera uma área hostil desde que em 2007 o movimento Hamas ficou com o controlo de região.

Perante as pressões internacionais, Israel suavizou as medidas, embora não tenha levantado completamente o cerco, no entanto Gaza sofre ainda com o facto de o Egito ter praticamente encerrado a sua fronteira.

A Organização das Nações Unidas (ONU) publicou recentemente uma informação em que alertava que a faixa de Gaza poderia ser um lugar perigoso para viver até 2020 pela falta de oportunidades de trabalho, água potável, colégios, hospitais e a deterioração das suas infraestruturas.

Lusa

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC