sicnot

Perfil

Mundo

Gaza tem a maior taxa de desemprego do mundo

Milhares de residentes em Gaza passam as segundas-feiras ao sol, num território que sofre o maior nível de desemprego do mundo, agravado pela falta de atividades lúdicas ou impossibilidade de circular devido ao bloqueio israelita apoiado pelo Egito.

© Mohammed Salem / Reuters

Um recente relatório do Banco Mundial advertiu que os bloqueios, a guerra e a pobre gestão do governo estrangularam a economia de Gaza, que tem uma taxa de desemprego de 40%, a mais elevada do mundo, que se agrava com a taxa de 60% de desemprego nos jovens.

Esta faixa costeira de 362 quilómetros quadrados e onde residem 1,8 milhões de pessoas, cujo número sobe em 50.000 anualmente, converteu-se num buraco negro onde as oportunidades de emprego são inexistentes e o empreendedorismo uma quimera, refere a agência noticiosa espanhola Efe.

Isareal impôs um cerco à faixa de Gaza, que considera uma área hostil desde que em 2007 o movimento Hamas ficou com o controlo de região.

Perante as pressões internacionais, Israel suavizou as medidas, embora não tenha levantado completamente o cerco, no entanto Gaza sofre ainda com o facto de o Egito ter praticamente encerrado a sua fronteira.

A Organização das Nações Unidas (ONU) publicou recentemente uma informação em que alertava que a faixa de Gaza poderia ser um lugar perigoso para viver até 2020 pela falta de oportunidades de trabalho, água potável, colégios, hospitais e a deterioração das suas infraestruturas.

Lusa

  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.