sicnot

Perfil

Mundo

Novo cessar-fogo humanitário decretado pela coligação no Iémen

A coligação liderada pela Arábia Saudita, satisfeita com o relativo êxito no combate aos rebeldes no Iémen, anunciou hoje uma pausa de cinco dias nos bombardeamentos para facilitar o encaminhamento de ajuda humanitária, após duas tentativas falhadas.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

O cessar-fogo no país em guerra deve iniciar-se na segunda-feira, às 00:00 locais (às 22:00 de domingo em Lisboa), mas a coligação reserva-se durante cinco dias o direito de retaliar a qualquer "atividade ou movimentos militares" dos rebeldes xiitas Huthis, segundo um comunicado citado pela agência oficial saudita SPA.

O texto precisa que a trégua foi decretada a pedido do Presidente iemenita, Abdrabuh Mansur Hadi, refugiado em Riade juntamente com uma boa parte do seu executivo, depois de ter fugido do país, no fim de março, devido ao avanço dos rebeldes sobre Aden, a segunda maior cidade do país, situada no sul do seu território.

Hadi queria um cessar-fogo para "encaminhar e distribuir o máximo de ajuda humanitária e médica" à população em dificuldades, refere o comunicado saudita.

Os Huthis pró-iranianos ainda não reagiram ao anúncio da coligação árabe comandada pela Arábia Saudita, que iniciou no final de março uma guerra contra esse grupo rebelde para o impedir de assumir o controlo total do Iémen, país seu vizinho.

A decisão de declarar uma trégua ocorreu após o êxito das forças lealistas em Aden que conseguiram, ao fim de quatro meses de violentos combates, retomar a cidade aos rebeldes que agora apenas detêm algumas posições no norte do país.

Foi graças a uma ofensiva levada a cabo por tropas iemenitas recém-equipadas pela coligação com armamento e viaturas, e graças ao apoio aéreo, que os rebeldes foram expulsos da cidade.

Este cessar-fogo surge um dia após a morte de 35 civis num ataque aéreo da coligação na cidade de Mokha (sudoeste), um bombardeamento classificado por alguns habitantes como um erro e atribuído, por outros, à proximidade de posições rebeldes de uma zona residencial.

Mais que os combatentes no terreno, os civis pagaram, direta ou indiretamente, um pesado preço por este conflito desencadeado pela ingerência no país dos Huthis que, com a ajuda de militares que se mantiveram fiéis ao ex-presidente iemenita Ali Abdallah Saleh, se apoderaram, desde julho de 2014, de grandes parcelas do território, incluindo a capital, Sanaa.

Os civis representam mais de metade dos 3.700 mortos em quatro meses de conflito, segundo a ONU.

Milhões de iemenitas estão, além disso, privados de alimentos, água e eletricidade, e o sistema de saúde ruiu, bem como o da educação.

Na sexta-feira, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) emitiu um apelo para a contenção de todas as partes em conflito, lamentando ter "cada vez mais dificuldades" em ajudar os civis, ao passo que as necessidades aumentam.

"Nas últimas duas semanas, os combates no terreno intensificaram-se nas regiões de Aden e de Taëz", no sul do país, disse o chefe da delegação do CICV no Iémen, Antoine Grand.

"Temos cada vez mais dificuldades para chegar às zonas atingidas e para continuar a levar bens vitais e retirar os feridos e os mortos", acrescentou.

De acordo com o responsável, o sofrimento dos civis "está a atingir níveis sem precedentes" devido a graves faltas de água, víveres e combustível no país.

A 21 de julho, a ONU entregou, por via marítima, um carregamento de ajuda humanitária em Aden, o primeiro das Nações Unidas a chegar desta forma à cidade, desde o início do conflito, em março.

O êxito militar dos pró-Hadi em Aden permitiu reabrir o aeroporto internacional da cidade, que pôde também receber esta semana três aviões militares sauditas e um dos Emirados Árabes Unidos carregados de ajuda humanitária.

Duas tréguas anteriormente negociadas pela ONU não foram respeitadas, os beligerantes não cessaram os combates.

Lusa

  • Pelo menos 55 mortos em bombardeamento no Iémen

    Mundo

    Pelo menos 55 civis morreram hoje e dezenas ficaram feridos num bombardeamento da coligação árabe-muçulmana, liderada pela Arábia Saudita, no noroeste do Iémen, informou a agência iemenita Saba, controlada pelos rebeldes 'hutis'.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.