sicnot

Perfil

Mundo

Intensos combates entre forças do Chade e o grupo radical islâmico Boko Haram

Guerrilheiros do grupo islamita nigeriano Boko Haram e forças do exército chadiano travaram violentos combates nas ilhas do lago Chade, noticiou a AFP citando fontes concordantes.

© Stringer . / Reuters

"As nossas forças intercetaram durante a manhã elementos do Boko Haram em fuga", a cerca de 20 quilómetros de Baga Sola, uma das principais cidades da região, disse à AFP uma fonte da segurança chadiana, precisando que "violentos combates" continuavam ao fim da tarde.

Segundo a fonte, um primeiro confronto opôs soldados e rebeldes, no sábado, em Midi Koutou e provocou seis mortos e 15 feridos entre os elementos do grupo radical. Um soldado do Chade também morreu.

Quando fugiram da região no sábado, os combatentes do Boko Haram "levaram muitas mulheres e crianças", afirmou a fonte, sem poder adiantar um número.

De acordo com a mesma fonte, "cerca de mil homens (das forças de segurança e defesa) estão posicionadas para ocupar todas as ilhas e neutralizar o Boko Haram".

Uma outra fonte das autoridades locais confirmou que foi lançada uma grande operação na região e que o governo ordenou a retirada das populações.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.