sicnot

Perfil

Mundo

Polícia egípcia mata dois jihadistas suspeitos de atentado a consulado italiano

A polícia egípcia matou hoje dois jihadistas suspeitos de estarem envolvidos no ataque de 11 de julho ao consulado italiano no Cairo, capital do Egito, informaram as autoridades policiais.

© Amr Dalsh / Reuters

De acordo com as autoridades de segurança, os dois suspeitos foram mortos num tiroteio, quando a polícia organizava uma operação para a sua detenção.

Os dois jihadistas pertenciam ao grupo Ajnad Misr (Soldados do Egito -- grupo operacional no Cairo).

As investigações, já anteriores à data do ataque consular, indicam um possível envolvimento nesse mesmo ataque, que resultou na morte de uma pessoa e nove feridos. Os dois sujeitos eram ainda procurados pelo assassinato de vários polícias.

O grupo ao qual pertenciam, Ajnad Misr, tinha já reivindicado vários ataques mortais no Cairo, como ataques de bomba ao palácio presidencial e à Universidade do Cairo.

O líder do grupo, Hammam Mohamed Attiyah, que as forças policiais dizem ter pertencido ao Ansar Beit al-Maqdis -- grupo egípcio com ligação ao Estado Islâmico -- e que abandonou para criar o Ajnad Misr, foi morto num tiroteio com a polícia.

Lusa

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06