sicnot

Perfil

Mundo

Polícia egípcia mata dois jihadistas suspeitos de atentado a consulado italiano

A polícia egípcia matou hoje dois jihadistas suspeitos de estarem envolvidos no ataque de 11 de julho ao consulado italiano no Cairo, capital do Egito, informaram as autoridades policiais.

© Amr Dalsh / Reuters

De acordo com as autoridades de segurança, os dois suspeitos foram mortos num tiroteio, quando a polícia organizava uma operação para a sua detenção.

Os dois jihadistas pertenciam ao grupo Ajnad Misr (Soldados do Egito -- grupo operacional no Cairo).

As investigações, já anteriores à data do ataque consular, indicam um possível envolvimento nesse mesmo ataque, que resultou na morte de uma pessoa e nove feridos. Os dois sujeitos eram ainda procurados pelo assassinato de vários polícias.

O grupo ao qual pertenciam, Ajnad Misr, tinha já reivindicado vários ataques mortais no Cairo, como ataques de bomba ao palácio presidencial e à Universidade do Cairo.

O líder do grupo, Hammam Mohamed Attiyah, que as forças policiais dizem ter pertencido ao Ansar Beit al-Maqdis -- grupo egípcio com ligação ao Estado Islâmico -- e que abandonou para criar o Ajnad Misr, foi morto num tiroteio com a polícia.

Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.