sicnot

Perfil

Mundo

Espião israelita preso nos EUA há 30 anos vai ser libertado

O espião israelita Jonathan Pollard, preso em 1985 e condenado a prisão perpétua em 1987 nos Estados Unidos, vai ser libertado a 21 de novembro, anunciaram hoje os seus advogados.

© Baz Ratner / Reuters

"O Conselho de Liberdade Condicional emitiu um aviso a conceder liberdade 'pro bono' ao nosso cliente J. Pollard", afirmaram, em comunicado, os seus advogados Eliot Lauer e Jacques Semmelman, acrescentando que deverá ser libertado a 21 de novembro.

A administração do Presidente norte-americano, Barack Obama, anunciou já que não se vai opor.

"A decisão não está relacionada com os recentes acontecimentos no Médio Oriente", disseram os advogados, referindo-se ao acordo sobre o programa nuclear iraniano.

Jonathan Pollard foi condenado nos Estados Unidos por espionagem a favor de Israel e o seu caso tem sido uma fonte de tensão entre os dois países.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, disse hoje que "espera impacientemente" a libertação de Pollard, depois de anos de esforços políticos e diplomáticos.

"Depois de décadas de esforço, Jonathan Pollard será finalmente libertado. Ao longo de todos estes anos falei sempre sobre a sua libertação em encontros e conversas com a liderança das sucessivas administrações norte-americanas", referiu, em comunicado, o primeiro-ministro israelita.

Lusa

  • Congresso do PS começa hoje na Batalha

    País

    O 22.º Congresso do PS começa hoje, na Batalha, distrito de Leiria, e durante o qual o secretário-geral, António Costa, deverá defender uma linha de continuidade estratégica, procurando, em simultâneo, projetar desafios estruturais que se colocam ao país.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • Juiz impede acesso a informações bancárias e e-mails de António Mexia
    1:50

    País

    No inquérito crime que investiga a EDP, continua um braço de ferro entre o Ministério Público e o juiz de instrução. O magistrado voltou a negar o acesso a informações bancárias e a e-mails de António Mexia, que constavam dos processos da Operação Marquês e do universo Espírito Santo.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC