sicnot

Perfil

Mundo

Israel autoriza construção imediata de 300 habitações em colonato na Cisjordânia

O primeiro-ministro israelita anunciou hoje ter autorizado a construção imediata de 300 habitações na Cisjordânia ocupada, relançando a colonização vista pela comunidade internacional como o principal obstáculo à paz.

Família judia que mora no colonato Beit El na Cisjordânia.

Família judia que mora no colonato Beit El na Cisjordânia.

© Ronen Zvulun / Reuters

"Após consultas, a construção imediata de 300 habitações em Beit El foi autorizada", indica um comunicado, que anuncia também "o planeamento" de mais de 500 habitações em Jerusalém Oriental, parte palestiniana da cidade.

A decisão Benjamin Netanyahu foi divulgada quando o exército procedia hoje à destruição de duas casas em construção em Beit El, um colonato na Cisjordânia próximo de Ramallah, na sequência de uma decisão judicial.

Estas demolições resultaram em confrontos entre colonos e forças de segurança israelitas, de acordo com um fotógrafo da agência noticiosa francesa AFP.

No mês passado, o supremo tribunal israelita ordenou a demolição de dois edifícios e rejeitou esta manhã o recurso apresentado pelo empreiteiro contra a destruição.

O gabinete do primeiro-ministro israelita acrescentou que esta última autorização refere-se a "uma construção prometida há três anos pelo Governo israelita, na sequência da demolição de casas na colina de Ulpena", um bairro de Beit El onde colonos tinham construído ilegalmente.

Quanto ao projeto em Jerusalém Oriental, Netanyahu "autorizou o planeamento de habitações em Pisgat Zeev, Ramot, Guilo e Har Homa", bairros de colonos na parte ocupada e anexada por Israel desde 1967.

Perto de 400 mil colonos israelitas vivem atualmente na Cisjordânia ocupada e, dez anos depois da retirada unilateral israelita da Faixa de Gaza, uma maioria dos israelitas defende o reinício da colonização de Gaza.

Para a comunidade internacional, a colonização de Israel dos territórios palestinianos é o principal obstáculo a um processo de paz "esquecido" há vários anos.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Pyongyang cria vídeo a simular ataque a navios dos EUA
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos da América pretendem reforçar as sanções à Coreia do Norte e investir nos esforços diplomáticos. Contudo, a tensão militar persiste. Pyongyang emitiu um vídeo em que simula um ataque a navios norte-americanos.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.