sicnot

Perfil

Mundo

Serviços secretos afegãos confirmam morte de mullah Omar há dois anos

A Junta Nacional de Segurança afegã confirmou hoje que o líder dos Talibã, o mullah Mohammad Omar, morreu há dois anos.

Notícia no site The Tolonews sobre a morte de mullah Omar em Cabul a 23 de maio de 2011.

Notícia no site The Tolonews sobre a morte de mullah Omar em Cabul a 23 de maio de 2011.

© Ahmad Masood / Reuters

O anúncio foi feito pelo porta-voz da presidência do Afeganistão, Sayed Zafar Hashemi, depois de várias fontes oficiosas terem divulgado a morte do chefe rebelde afegão.

A confirmação surge horas depois de o Governo afegão ter anunciado que estava a investigar as informações relativas à morte do mullah Omar, líder supremo dos talibãs afegãos, em fuga desde o fim de 2001.

A morte de Omar, caso se confirme, representa um revés significativo para o movimento rebelde talibã, que luta contra Cabul há quase 14 anos, a braços com divisões internas e ameaçado pela crescente presença do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na Ásia do sul.

O mullah Omar não é visto em público desde a invasão do Afeganistão em 2001 pela coligação internacional liderada pelos Estados Unidos que levou à queda do Governo Talibã.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.