sicnot

Perfil

Mundo

Estado de emergência na Tunísia prolongado por dois meses

A Presidência da Tunísia anunciou hoje que o estado de emergência que vigora desde o passado 04 de julho naquele país, devido à ocorrência de diversas ameaças de atentados 'jihadistas', será prolongado por dois meses.

© Anis Mili / Reuters

"Após consultas com o chefe do governo e o presidente do parlamento, o Presidente da República decidiu prolongar o estado de emergência em todo o território por dois meses a partir de 03 de agosto de 2015", indicou um breve comunicado.

A Presidência tunisina não especificou se a decisão de prolongar esta medida excecional está relacionada com alguma ameaça específica.

A 04 de julho, oito dias depois do mais mortífero ataque 'jihadista' na história da Tunísia, Beji Caid Essebsi decretou o estado de emergência por causa "da situação excecional que o país enfrentava após o último ataque [perpetrado a 26 de Junho] e a persistência das ameaças que o colocam numa guerra".

A 26 de junho, mais de 30 turistas, incluindo uma portuguesa, foram mortos por um estudante tunisino armado com uma Kalachnikov que abriu fogo num hotel em Port El Kantaoui, em Sousse, uma zona turística na costa oriental da Tunísia.

O atentado foi reivindicado pelo grupo autoproclamado Estado Islâmico (EI), como outro ataque que também visou turistas no Museu Bardo, em Tunes, a 18 de março.

O estado de emergência confere poderes de exceção às forças de segurança. Por exemplo, as autoridades podem proibir greves ou reuniões "passíveis de provocar ou manter a desordem", fechar temporariamente "salas de espetáculos ou outros estabelecimentos de entretenimento" ou "tomar todas as medidas para assegurar o controlo da imprensa e publicações de qualquer tipo".

Desde a revolução de 2011, que ditou a queda do ditador Zine El Abidine Ben Ali e o início do movimento revolucionário que ficou conhecido como "Primavera Arábe", a Tunísia enfrenta uma progressão do movimento 'jihadista', já responsável pela morte de dezenas de polícias e militares.

Após a deposição de Ben Ali, os tunisinos viveram durante mais de três anos sob um estado de emergência, entre janeiro de 2011 a março de 2014.

Lusa

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.