sicnot

Perfil

Mundo

Governo espanhol aumenta funcionários públicos a poucos meses das eleições

O ministro das Finanças de Espanha, Cristóbal Montoro, comunicou hoje aos sindicatos da Função Pública que o Orçamento de Estado (OE) para 2016 inclui uma subida de 1% dos salários dos empregados do Estado, algo que não acontecia desde 2010.

© Susana Vera / Reuters

A medida, confirmada por fontes sindicais, foi adiantada no decorrer da Mesa Geral de Negociação das Administrações Públicas - uma reunião regular entre o ministro das Finanças e os representantes dos trabalhadores, que hoje serviu para o Governo explicar algumas das linhas gerais do OE espanhol para o próximo ano.

No decorrer da reunião, o ministro também deu conta aos sindicatos que o Governo vai devolver aos funcionários público os restantes 75% do salário adicional cortado em 2012. Assim, os funcionários públicos espanhóis - que já tinham recebido 25% no início do ano - vão receber outros 25% do salário extra (no caso espanhol o subsídio de Natal) em setembro e os últimos 50% em 2016.

O aumento de salário em 1% é a primeira subida desde 2010 e surge a poucos meses das eleições gerais, agendadas para o fim do ano mas sem data marcada ainda.

Desde 2010 que os sucessivos governos em Espanha têm vindo a cortar no salário dos funcionários públicos. Em 2010, o governo socialista de Rodriguez Zapatero cortou 5% em média e desde então os salários têm estado congelados.

Em 2012, já com o PP de Mariano Rajoy foi cortado o subsídio de Natal e outros direitos laborais dos funcionários públicos. Os sindicatos consideram que os funcionários do Estado perderam cerca de 20% do seu poder de compra nos últimos cinco anos.

O custo total da devolução dos 25% em setembro será de cerca de 1,3 mil milhões de euros para todas as Administrações Públicas. Só o Estado terá de despender cerca de 250 milhões de euros.

Por outro lado, os empregados do Estado vão recuperar o último dos três dias livres que lhes foram retirados em 2012. Passam a contar outra vez com seis dias livres (além das férias). Além destes, os funcionários públicos em Espanha também têm direito a dias livres por antiguidade (um dia a partir de oito triénios na Função Pública, dois dias a partir de dez triénios e três dias aos 12 triénios).

O ministro também anunciou aos sindicatos que vai aumentar a taxa de reposição de funcionários dos serviços públicos essenciais (Saúde, Educação, Forças de Segurança, fiscais da Agência Tributária, etc). Até agora por cada dois que se reformavam ou que punham baixa, apenas entrava um. Essa taxa vai subir para 100%.

O anúncio surge menos de um mês depois de o Governo ter avançado que iria antecipar a entrada em vigor das novas tabelas do IRS (imposto sobre o rendimento). Na prática, cada espanhol passou a descontar menos do que fazia em 2011, ou seja o ano em que o atual governo entrou em funções.

A medida do IRS (antecipada para julho, quando apenas estava prevista para janeiro próximo) implica que os espanhóis vão ter mais 1,5 mil milhões de euros no bolso em dinheiro que antes estava a sair para impostos.

O executivo de Mariano Rajoy, com menos folga nas várias sondagens para as eleições do final do ano, justificou a medida com "o melhor desempenho" da economia espanhola.

Espanha tem cerca de 2,5 milhões de funcionários públicos em todas as administrações, dos quais 214,8 mil (ou seja 8,4% do total) a Administração Geral do Estado.

O presidente do sindicato dos funcionários públicos CSI-F (Central Sindical Independente e de Funcionários), Miguel Borra, salientou que "a pressão de 2,5 milhões de empregados públicos deu frutos".

"O Governo avança na direção certa, ainda que não tenha sido tudo o que gostaríamos", disse Miguel Borras, classificando o aumento de 1% como "exíguo" face ao esforço dos funcionários durante os anos da crise.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.

  • Quem está ao lado de Trump? Melania ou uma sósia?

    Mundo

    A especulação surgiu no Twitter: estaria Trump acompanhado de uma sósia de Melania para ocultar a ausência da mulher num evento oficial? A teoria da conspiração ganhou depois força nas redes sociais. Julgue por si mesmo.

    SIC

  • Norte-americano entrega-se após perder aposta com a polícia no Facebook

    Mundo

    Um jovem de 21 anos procurado pela polícia norte-americana entregou-se, esta segunda-feira, depois de perder uma aposta com a polícia, no Facebook. Michael Zaydel prometeu entregar-se se uma publicação sobre o seu desaparecimento chegasse às mil partilhas, na rede social. O jovem norte-americano prometeu ainda levar uma dúzia de donuts, caso os agentes da cidade de Redford conseguissem ganhar a aposta.

    SIC