sicnot

Perfil

Mundo

Justiça japonesa vai julgar três ex-responsáveis da empresa gestora de Fukushima

Três antigos dirigentes da empresa gestora da central nuclear de Fukushima vão ser julgados por responsabilidade no acidente de 2011, anunciaram hoje os queixosos.

© Issei Kato / Reuters

O ex-presidente do conselho de administração do grupo na altura do desastre Tsunehisa Katsumata (75 anos) e dois vice-diretores executivos, Sakae Muto (65) e Ichiro Takehuro (69), devem ser julgados, decidiu um painel de cidadãos, na sequência de um processo que se prolongou por meses.

Esta decisão inverte o precedente da justiça nipónica que, em janeiro, considerou "não existirem provas suficientes para concluir que (os três responsáveis) podiam prever ou evitar" o acidente nuclear em Fukushima, na sequência do maremoto de 11 de março de 2011, na costa leste da península de Oshika, na região de Tohoku.

A resposta anterior da justiça nipónica referia-se a um pedido de uma primeira comissão jurídica independente, composta por cidadãos, apresentado em julho passado, em relação ao julgamento destes três responsáveis da Tokyo Electric Power (TEPCO) por não terem tomado, a montante, as medidas necessárias para evitar que o maremoto atingisse e destruísse a central nuclear.

Um segundo painel, com a mesma composição, reviu o dossiê e concluiu a favor de um julgamento dos três ex-dirigentes.

Os ativistas e residentes da zona da central acidente pediram às autoridades o julgamento de três dezenas de responsáveis da TEPCO por não terem tomado as medidas necessárias para proteger o local contra um maremoto, mas ninguém foi acusado até ao momento.

Na sequência do acidente nuclear, o pior desde da explosão da central ucraniana de Chernobil, em 1986, mais de 110 mil residentes foram retirados da zona de exclusão de 20 quilómetros em redor de Fukushima.

Mais de 13 mil pessoas morreram e cerca de 16 mil desapareceram no maremoto.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.