sicnot

Perfil

Mundo

Cervejaria portuguesa em Nova Iorque conquista crítica

O novo restaurante do 'chef' lusodescendente George Mendes em Nova Iorque, Lupulo, conquistou a crítica norte-americana nos três meses desde que abriu.

© Rafael Marchante / Reuters

A crítica da revista New Yorker, Hannah Goldfield, começa o seu texto lembrando as frases de clientes que ouviu em duas visitas ao restaurante, garantindo, por exemplo, que as sardinhas que provavam eram das melhores coisas que já tinham comido.

Goldfield diz depois que "seria uma pena desperdiçar" o molho dos caracóis, que os carabineiros vindos de Portugal "têm um perfume quase floral", um "sabor luxuoso e amanteigado" e termina elogiando o serviço.

"O pessoal gracioso não te dá nenhuma da atitude 'devias sentir-te com sorte por estares aqui', tão prevalente nos restaurantes hoje em dia. A ironia é: devíamos", escreve.

Este é o segundo restaurante na cidade de George Mendes, que em 2009 abriu o Aldea, detentor de uma estrela do guia Michelin, que distingue os melhores restaurantes do mundo.

Para o seu segundo espaço, Mendes quis recriar em Nova Iorque uma cervejaria portuguesa, tendo completado o espaço com um grande bar em madeira no centro, azulejos brancos e azuis na parede e galos de Barcelos nas prateleiras.

O 'chef' escolheu o nome Lupulo por ser o nome em português do ingrediente utilizado para dar amargo e aroma à cerveja.

O The New York Times sublinha esta decoração e diz que o restaurante "é uma homenagem à herança" de Mendes, lembrando o passado do lusodescendente, que nasceu em Danbury, Connecticut, filho de emigrantes beirões de Ferreirós do Dão.

Na crítica publicada na semana passada, o jornal diz que "se George Mendes não tivesse um domínio tão forte dos sabores e aromas de Portugal, o rumo do Lupulo podia ter lhe escapado".

O New York Post diz que o espaço "é o novo restaurante mais sexy de Nova Iorque", garante que "aterrou na cidade com base num sonho impossível" e que "é o restaurante mais entusiasmante a abrir na cidade desde o Santina", um italiano que abriu no ano passado.

"Mendes opta por uma abordagem iluminada de snacks de bar antigos, elevando-as até à glória através de uma técnica de mestre, como com os pastéis de bacalhau que são misturados até uma rara e cremosa consistência", escreve Steve Cuozzo.

O restaurante fica no bairro de Chelsea, no cruzamento da Rua 29 com a Sexta Avenida, e representa um regresso às origens para Mendes numa altura em que Manhattan estava sem restaurantes exclusivamente portugueses.

A Bloomberg lembra esse facto, escrevendo que "a comida portuguesa não é bem representada em Nova Iorque e o Lupulo vai além do que lhe é exigido para mostrar uma cozinha portuguesa simples e rústica, como é o caso da açorda com um delicioso sabor a camarão".

Sites especializados, como o GrubStreet e o Eater, também exploram o tema da popularidade da culinária portuguesa.

O conceituado Eater.com diz que "nomear um 'chef' espanhol famoso não é difícil", mas que "fazer o mesmo com um português não é tão fácil, pois não?"

O jornalista Ryan Sutton propõe depois que Mendes, com este novo espaço, se pode tornar esse embaixador internacional da culinária portuguesa.

"Ele desafiou a tradição quando abriu o Aldea, combinando as sensibilidades portuguesas com as suas técnicas modernas para criar napoleões de sardinha e esferas de algas. Mas essa não é necessariamente a forma mais democrática de introduzir uma culinária sub-representada a uma cidade de céticos. Agora temos o mais barato, embora igualmente ambicioso, Lupulo", escreve.

George Mendes é também autor do livro "My Portugal: Recipes and Stories", lançado no ano passado.

Em outubro, vai dar um seminário sobre gastronomia e cervejas portuguesas durante o Festival de Comida e Vinho de Nova Iorque, que decorre em Manhattan entre os dias 15 e 18 desse mês.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.