sicnot

Perfil

Mundo

Itália resgata 780 imigrantes em perigo no Mediterrâneo

Um grupo de 780 imigrantes foi resgatado no sábado e cinco cadáveres foram recuperados das águas do mar Mediterrâneo, perto da costa da Líbia, em operações de resgate coordenadas pela Guarda Costeira italiana.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

Os imigrantes foram resgatados quando navegavam rumo à Itália e encontravam-se em situação de perigo, informaram os meios de comunicação social locais.

As pessoas viajavam a bordo de quatro lanchas pneumáticas e uma barcaça e, na altura em que foram resgatadas, estavam a 30 milhas (cerca de 55 quilómetros) da costa da Líbia.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) avançou, no dia 10, que mais de 150 mil migrantes chegaram à Europa através do Mediterrâneo desde o início deste ano, enquanto quase dois mil morreram durante a perigosa travessia.

Os números divulgados pela OIM surgiram na mesma altura em que as Nações Unidas exigem "uma resposta coletiva e consequente da Europa" face ao drama dos migrantes.

Entre os destinos mais frequentes conta-se a Grécia e a Itália, países que, desde janeiro, já recolheram, 77 mil e 75 mil pessoas, respetivamente.

Lusa

  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • PSP descentraliza a regularização de armas
    3:55

    País

    A PSP de Bragança percorreu os 12 concelhos do distrito ao encontro dos proprietários de armas com vista à sua regularização. A iniciativa, que pretende evitar a deslocação das pessoas à capital de distrito, teve uma forte adesão.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.