sicnot

Perfil

Mundo

ONU vai gastar 3,1 mil milhões de euros ano até 2030 para combater a pobreza

Os países membros das Nações Unidas adotaram no domingo um programa que prevê utilizar 3,5 mil milhões dólares (3,1 mil milhões de euros) por ano até 2030 para combater a pobreza extrema, enquanto controla o aquecimento global.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Mohamed Al-Sayaghi / Reuters

A ONU anunciou hoje que o programa, denominado "Transforma o Nosso Mundo, programa de desenvolvimento sustentável até 2030", deve ser formalmente adotado pelos líderes mundiais na próxima Assembleia-geral da Organização, a realizar em Nova Iorque, na sede das Nações Unidas, entre 26 e 27 de setembro.

Os números variam entre os 3.500 mil milhões de dólares (3,1 mil milhões de euros) e os 5.000 mil milhões de dólares (4,5 mil milhões de euros) por ano", disse à imprensa o embaixador do Quénia na ONU, Macharia Kamau, cujo país copresidiu às negociações com a Irlanda.

"Isto são números astronómicos", reconheceu o embaixador, acrescentando que o programa é "ambicioso, mas não impossível de alcançar".

O programa, que foi negociado durante dois anos, incluiu 17 metas de desenvolvimento sustentável em 169 "alvos". O primeiro é erradicar a pobreza em todas as suas formas e em todos os lugares do mundo, enquanto outros dizem respeito à saúde, acesso à educação, redução das desigualdades, igualdade do género e boa governação.

O acordo sobre a nova agenda de desenvolvimento "anuncia um ponto de viragem histórico para o planeta", afirmou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon.

"É um programa de povos, um plano de ação para acabar com a pobreza em todas as suas formas, irreversivelmente, em qualquer lugar e sem deixar ninguém de fora", disse Ban Ki-Moon, sublinhando que também visa garantir a paz e a prosperidade.

O novo programa vem substituir os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, adotados em 2000, e que durante os últimos 15 anos conseguiu, segundo a ONU, ajudar a escapar à pobreza 700 milhões de pessoas.

"Estamos determinados a libertar a raça humana da tirania da pobreza e curar e proteger o nosso planeta para as gerações presentes e futuras", refere o texto do programa.

Lusa

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.