sicnot

Perfil

Mundo

ONU vai gastar 3,1 mil milhões de euros ano até 2030 para combater a pobreza

Os países membros das Nações Unidas adotaram no domingo um programa que prevê utilizar 3,5 mil milhões dólares (3,1 mil milhões de euros) por ano até 2030 para combater a pobreza extrema, enquanto controla o aquecimento global.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Mohamed Al-Sayaghi / Reuters

A ONU anunciou hoje que o programa, denominado "Transforma o Nosso Mundo, programa de desenvolvimento sustentável até 2030", deve ser formalmente adotado pelos líderes mundiais na próxima Assembleia-geral da Organização, a realizar em Nova Iorque, na sede das Nações Unidas, entre 26 e 27 de setembro.

Os números variam entre os 3.500 mil milhões de dólares (3,1 mil milhões de euros) e os 5.000 mil milhões de dólares (4,5 mil milhões de euros) por ano", disse à imprensa o embaixador do Quénia na ONU, Macharia Kamau, cujo país copresidiu às negociações com a Irlanda.

"Isto são números astronómicos", reconheceu o embaixador, acrescentando que o programa é "ambicioso, mas não impossível de alcançar".

O programa, que foi negociado durante dois anos, incluiu 17 metas de desenvolvimento sustentável em 169 "alvos". O primeiro é erradicar a pobreza em todas as suas formas e em todos os lugares do mundo, enquanto outros dizem respeito à saúde, acesso à educação, redução das desigualdades, igualdade do género e boa governação.

O acordo sobre a nova agenda de desenvolvimento "anuncia um ponto de viragem histórico para o planeta", afirmou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon.

"É um programa de povos, um plano de ação para acabar com a pobreza em todas as suas formas, irreversivelmente, em qualquer lugar e sem deixar ninguém de fora", disse Ban Ki-Moon, sublinhando que também visa garantir a paz e a prosperidade.

O novo programa vem substituir os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, adotados em 2000, e que durante os últimos 15 anos conseguiu, segundo a ONU, ajudar a escapar à pobreza 700 milhões de pessoas.

"Estamos determinados a libertar a raça humana da tirania da pobreza e curar e proteger o nosso planeta para as gerações presentes e futuras", refere o texto do programa.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.