sicnot

Perfil

Mundo

Polícia do Rio de Janeiro mata mais de 840 pessoas por ano, denuncia Amnistia

A polícia do estado brasileiro do Rio de Janeiro utiliza força letal "desnecessária e excessiva", que matou mais de 840 pessoas por ano, em média, entre 2005 e 2014, acusou a Amnistia Internacional, num relatório hoje divulgado.

Ao todo, foram 8.471 mortos por polícias em serviço no período, incluindo 5.132 pessoas na cidade do Rio de janeiro, capital do estado com o mesmo nome, segundo o relatório "Você matou o meu filho".

A organização realçou que o Brasil tem uma das maiores taxas de homicídio no mundo, não considerando apenas os cometidos por polícias, e que, em 2012, 56 mil pessoas foram mortas no país. O perfil de maior vulnerabilidade são os jovens entre 15 e 29 anos (50% das vítimas) e os negros (77%).

Na cidade do Rio de Janeiro, os casos de mortos por polícias nos últimos cinco anos são quase 16% do número total de homicídios, segundo o relatório. A Amnistia Internacional criticou o registo desses casos como "resistência seguida de morte" o que contribuiria para esconder execuções extrajudiciais realizadas pelos agentes do estado.

Além da camuflagem nas notificações, as mortes causadas por polícias são pouco investigadas e pouco punidas, segundo o relatório. De 220 investigações sobre o tema abertas em 2011 e confirmadas pela Amnistia Internacional, apenas um caso terminou com punição contra um agente, e outras 183 continuam a ser investigadas.

O relatório, divulgado a um ano do início dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, também afirma que a cidade tem dois lados: de um de glamour que impressiona o mundo e, outro, de marcas da violência policial que afeta parte significante de homens jovens, negros e pobres.

Atila Roque, diretor da Amnistia Internacional Brasil, acrescentou, em comunicado, que vidas estão a ser perdidas para um "cocktail tóxico" formado pela polícia violenta e com poucos recursos, comunidades pobres e marginalizadas, e um sistema de Justiça criminal que demora a obter reparações por violações de direitos humanos.

A organização também afirmou que existe a adulteração de cenas de crimes pelos polícias e até ameaças relatadas a familiares de vítimas mortais. O relatório inclui números sobre a favela do Acari, que teve dez casos de "homicídios decorrentes de intervenção policial" no ano passado, nove deles com características de assassínio, segundo o relatório.

"Em quatro casos, as vítimas já estavam feridas ou rendidas quando os polícias usaram armas de fogo de forma intencional para as executar. Em outros quatro casos, as vítimas foram baleadas e assassinadas sem nenhum aviso", referiu.

Como recomendações ao Brasil, a Amnistia pede investigações alargadas, imparciais e independentes sobre os casos, a abertura de um processo criminal adequado na esfera civil, melhores equipamentos para a Divisão de Homicídios para viabilizar a investigação dos casos, e a condenação das violações de direitos humanos.

A organização de defesa dos direitos humanos também defende que o registo da morte decorrente de intervenção policial não seja feito como "resistência seguida de morte", mas sim como homicídio.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31