sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Catalunha oficializa eleições antecipadas para 27 de setembro

O presidente do Governo Regional da Catalunha, Artur Mas, assinou hoje o decreto a convocar eleições autonómicas na região para 27 de setembro, uma votação que o próprio caracteriza como um "plebiscito à independência".

© Gustau Nacarino / Reuters

O decreto - que leva os catalães às urnas pela terceira vez em cinco anos (2010 e as antecipadas de 2012) - não inclui qualquer referência ao "carácter plebiscitário" das eleições, como as várias candidaturas independentistas têm feito notar nas últimas semanas.

No documento, as eleições antecipadas de 27 de setembro são tratadas apenas como umas eleições autonómicas - (a visão que o Governo central em Madrid tem tentado fazer passar).

Artur Mas explicou que a Catalunha "não está a viver um momento normal", pelo que estas eleições são "especialmente importantes".

O "president" da Catalunha não tem tido maiorias sólidas nos últimos anos o que, a juntar à aposta soberanista, levou a que não tivesse terminado nenhuma das duas legislaturas: a primeira teve dois anos de duração (novembro de 2010 a novembro de 2012) e a segunda durou quase três anos (novembro de 2012 a setembro de 2015).

No seu primeiro mandato, Mas falhou o objetivo de conseguir um pacto fiscal para a Catalunha. Apesar de ter maioria no Parlamento catalão falhou nas negociações com o governo em Madrid.

Na altura, após uma enorme manifestação soberanista a 11 de setembro de 2012 (algo que se prepara para repetir este ano) avançou para eleições para obter uma grande maioria unida sob a bandeira de celebrar uma consulta sobre um "Estado próprio".

No entanto, ao contrário do que esperava Mas não reforçou a sua maioria e até perdeu 12 deputados. Aguentou-se graças à subida da ERC (Esquerra Republicana Catalana).

Também não conseguiu realizar um referendo (com tudo o que implica o termo) a 09 de novembro de 2014, uma vez que contou com a oposição frontal do presidente do governo em Madrid, Mariano Rajoy. Chamou-lhe "processo participativo", uma definição que o próprio admitiu não ser suficiente para manifestar a vontade do povo catalão.

Assim, interrompe a atual legislatura (que deveria terminar apenas em finais de 2016). No entanto, anunciou as eleições de 27 de setembro ainda em janeiro, com nove meses de antecipação, após um pacto com a ERC e com outras entidades soberanistas.

Estes partidos consideram a votação uma "consulta definitiva" com "carácter político plebiscitário" sobre a independência da Catalunha. O PSC (Partido Socialista da Catalunha), o PPC (Partido Popular da Catalunha), a ICV-EUiA (partido comunista) e o Catalunya Sí que es Pot (Podemos catalão) e o Ciudadanos não o consideram assim.

Lusa

  • Constitucional espanhol chumba referendo na Catalunha

    Mundo

    O Tribunal Constitucional (TC) de Espanha anulou a consulta soberanista realizada na Catalunha em novembro passado por ser contrária à Constituição, ao considerar tratar-se de um referendo que apenas poderia ser convocado pelo Estado central.  

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • Ronaldo não está preocupado com repercussões de eventual fuga fiscal
    1:30

    Football Leaks

    Cristiano Ronaldo diz que quem não deve não teme. O avançado português não se mostra preocupado com as notícias que revelam que o jogador não terá declarado os rendimentos da publicidade ao fisco espanhol. Fontes do Ministério das Finanças do país vizinho confirmaram ao jornal El Mundo que o português está a ser investigado há ano e meio.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.