sicnot

Perfil

Mundo

Teste de urina poderá ajudar a detetar cancro do pâncreas em fase precoce

Um estudo hoje publicado na revista Clinical Cancer Research revela que um teste de urina poderá ajudar a detetar o cancro do pâncreas numa fase precoce.

© Stefan Wermuth / Reuters

Segundo a investigação, liderada por uma equipa de cientistas do Reino Unido, a presença, em níveis elevados, de três proteínas na urina poderá servir para diagnosticar "com exatidão", com mais de 90 por cento de precisão, o cancro do pâncreas nos primeiros estádios de desenvolvimento.

O estudo, encabeçado pelo Instituto do Cancro Barts da Universidade Queen Mary, em Londres, demonstrou que "a assinatura" combinada destes três marcadores poderá ser usada para identificar a forma mais comum de cancro do pâncreas, o adenocarcinoma pancreático, e para a distinguir da pancreatite crónica, uma inflamação no pâncreas.

Para chegarem a esta conclusão, os investigadores analisaram 488 amostras de urina.

As amostras eram de doentes com cancro do pâncreas (192) e com pancreatite crónica (92), de voluntários saudáveis (87) e de pacientes com patologias do fígado e da vesícula biliar, benignas ou malignas (117).

De acordo com o estudo, financiado pelo Fundo de Investigação do Cancro do Pâncreas, uma organização britânica privada, a equipa de cientistas encontrou cerca de 1.500 proteínas na urina, tendo escolhido, pela sua informação biológica, três para uma avaliação mais detalhada: LYVE1, REG1A e TFF1.

Após uma análise mais exaustiva, os investigadores constataram que os doentes com cancro do pâncreas tinham na sua urina altos níveis de cada uma destas proteínas, comparativamente aos voluntários sãos.

Também os doentes com pancreatite crónica possuíam níveis mais baixos das três proteínas.

"Combinadas, as três proteínas oferecem uma prova robusta de deteção de doentes com cancro do pâncreas nos estádios 1 e 2, com mais de 90 por cento de precisão", refere uma nota do Fundo de Investigação do Cancro do Pâncreas, citada pela agência Efe.

Atualmente, não existe nenhum teste de diagnóstico precoce do cancro do pâncreas.

Para o diretor do Instituto do Cancro Barts e coautor do estudo, Nick Lemoine, diagnosticar o cancro do pâncreas numa fase precoce "é um grande desafio" e, se se conseguir, representará "uma grande diferença" quanto às taxas de sobrevivência.

Em regra, os doentes com cancro do pâncreas são diagnosticados numa fase terminal, o que impede a remoção do tumor. Se o diagnóstico ocorrer no estádio 2, a taxa de sobrevivência é de 20 por cento. No estádio 1, para pacientes com tumores muito pequenos, a taxa de sobrevivência pode chegar aos 60 por cento.

A equipa de investigadores prevê realizar mais testes em grupos de alto risco, nomeadamente pessoas com antecedentes familiares, que fumam, são obesas ou que tiveram diabetes após os 50 anos, para validar os resultados do estudo.

Pretende igualmente recolher amostras de urina de voluntários, durante cinco a dez anos, para verificar se a assinatura das três proteínas se manifesta quando o cancro está latente, mas ainda não se desenvolveu.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.