sicnot

Perfil

Mundo

Teste de urina poderá ajudar a detetar cancro do pâncreas em fase precoce

Um estudo hoje publicado na revista Clinical Cancer Research revela que um teste de urina poderá ajudar a detetar o cancro do pâncreas numa fase precoce.

© Stefan Wermuth / Reuters

Segundo a investigação, liderada por uma equipa de cientistas do Reino Unido, a presença, em níveis elevados, de três proteínas na urina poderá servir para diagnosticar "com exatidão", com mais de 90 por cento de precisão, o cancro do pâncreas nos primeiros estádios de desenvolvimento.

O estudo, encabeçado pelo Instituto do Cancro Barts da Universidade Queen Mary, em Londres, demonstrou que "a assinatura" combinada destes três marcadores poderá ser usada para identificar a forma mais comum de cancro do pâncreas, o adenocarcinoma pancreático, e para a distinguir da pancreatite crónica, uma inflamação no pâncreas.

Para chegarem a esta conclusão, os investigadores analisaram 488 amostras de urina.

As amostras eram de doentes com cancro do pâncreas (192) e com pancreatite crónica (92), de voluntários saudáveis (87) e de pacientes com patologias do fígado e da vesícula biliar, benignas ou malignas (117).

De acordo com o estudo, financiado pelo Fundo de Investigação do Cancro do Pâncreas, uma organização britânica privada, a equipa de cientistas encontrou cerca de 1.500 proteínas na urina, tendo escolhido, pela sua informação biológica, três para uma avaliação mais detalhada: LYVE1, REG1A e TFF1.

Após uma análise mais exaustiva, os investigadores constataram que os doentes com cancro do pâncreas tinham na sua urina altos níveis de cada uma destas proteínas, comparativamente aos voluntários sãos.

Também os doentes com pancreatite crónica possuíam níveis mais baixos das três proteínas.

"Combinadas, as três proteínas oferecem uma prova robusta de deteção de doentes com cancro do pâncreas nos estádios 1 e 2, com mais de 90 por cento de precisão", refere uma nota do Fundo de Investigação do Cancro do Pâncreas, citada pela agência Efe.

Atualmente, não existe nenhum teste de diagnóstico precoce do cancro do pâncreas.

Para o diretor do Instituto do Cancro Barts e coautor do estudo, Nick Lemoine, diagnosticar o cancro do pâncreas numa fase precoce "é um grande desafio" e, se se conseguir, representará "uma grande diferença" quanto às taxas de sobrevivência.

Em regra, os doentes com cancro do pâncreas são diagnosticados numa fase terminal, o que impede a remoção do tumor. Se o diagnóstico ocorrer no estádio 2, a taxa de sobrevivência é de 20 por cento. No estádio 1, para pacientes com tumores muito pequenos, a taxa de sobrevivência pode chegar aos 60 por cento.

A equipa de investigadores prevê realizar mais testes em grupos de alto risco, nomeadamente pessoas com antecedentes familiares, que fumam, são obesas ou que tiveram diabetes após os 50 anos, para validar os resultados do estudo.

Pretende igualmente recolher amostras de urina de voluntários, durante cinco a dez anos, para verificar se a assinatura das três proteínas se manifesta quando o cancro está latente, mas ainda não se desenvolveu.

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47